by Henrique Carneiro

A saúde é um tema complexo cujos conteúdos não decorrem estritamente apenas dos critérios e procedimentos puramente científicos da medicina. As idéias da expectativa e da esperança, do engajamento e da crença são mobilizadas na construção da saúde, que além de um estado fisiológico “normal” (no sentido estatístico que essa palavra assume na obra de Georges Canguilhem), é também um conjunto de referenciais simbólicos ligados à situação dos seres humanos na natureza, na comunidade e em sua vida interior, refletindo, portanto, a noção de felicidade.

Sua busca também é empreendida não só pelas medicinas, mas pelas filosofias, regimes e estilos de vida e pelas inquietações religiosas. A fronteira entre o efeito placebo e os mistérios da cura ainda são pouco definidas.

O uso de plantas psicoativas sempre assumiu, tanto em culturas indígenas tradicionais como no mundo urbano globalizado, vários significados: um deles, e dos mais importantes, é a busca da cura e da saúde.

A ayahuasca, em particular, é a grande beberagem de plantas com poderes diagnósticos e curativos nas culturas ameríndias.

A reunião de escritos de diferentes autores de vários países com múltiplos ângulos de estudo, do bioquímico ao antropológico, sobre o tema da saúde relacionado aos usos da ayahuasca é o grande mérito desta coletânea pioneira que trata tanto dos efeitos do uso da ayahuasca na saúde dos consumidores como dos significados que ela assume como o maior dos remédios na medicina pan-ameríndia.

Henrique S. Carneiro
Historiador – Universidade de São Paulo