Programação

4 de novembro de 1997
9:00 às 9:30hs – Abertura

Milton Gomes da Conceição – Seringueiro da Reserva extrativista Alto Juruá, Acre

9:30 às 12:30hs – Mesa 1 – Aspectos Históricos e Antropológicos do Uso Ritual da Ayahuasca

Esther Jean Langdon – Antropologia, UFSC – “Eficácia do Uso Ritual da Ayahuasca nas Curas Xamânicas”

O trabalho explora o uso ritual da ayahuasca, tomando como base as etnografias dos grupos indígenas da bacia amazônica colombiana. No passado, o uso ritual da ayahuasca estendia as questões além da cura, mas hoje seu uso é restrito em geral aos fins curativos. Após uma discussão sobre o conceito de cura em sistemas xamânicos, apresenta uma narrativa Siona como exemplo do poder da experiência visionária provocada por ayahuasca na cura xamânica.

Luis Eduardo Luna – Antropologia – UFSC – “Visões de ayahuasca e contexto cultural: Panorâmica comparativa.”

Utilizando como base narrativas indígenas (Aguaruna, Desana, Kamsá, Siona, Secoya, Shipibo, etc), por um lado, do “vegetalismo” mestiço peruano por outro, e finalmente pesquisas entre organizações religiosas brasileiras usuárias do ayahuasca, apresentarei um ensaio comparativo sobre o papel do contexto cultural nas experiências visionárias com ayahuasca.

Clodomir Monteiro – Antropologia – UFAC/ PUC-SP

A etnografia vem demonstrando que o uso ritual da AYAHUASCA, ultrapassa contextos étnicos e sociais, tornando-se emblema pós-moderno da busca pela superação da dicotomia natureza – cultura, através de tipos de transe diferenciados: alternativos, integrados e exclusivos.

Sandra Lúcia Goulart – Antropologia – USP

Procurarei relacionar o surgimento do culto do Santo Daime a todo um conjunto de mudanças ocorridas no mundo rural brasileiro. A intenção é mostrar que este culto nasce exatamente no momento em que estava se consolidando no país uma nova conjuntura sócio-cultural. A instauração da nova realidade era acompanhada pela ruptura de antigos padrões de conduta. Além das relações econômicas , todo um outro conjunto de práticas se transformava. Formas tradicionais de religiosidade entravam em decadência. O antigo catolicismo popular, por exemplo, perdia muitos de seus elementos, sendo sobrepujado tanto pelo avanço da liturgia oficial católica quanto por outras crenças religiosas, que pareciam se ajustar de maneira mais eficaz às novas circunstâncias. Estas mudanças foram sentidas mesmo na distante região da Amazônia, onde surgiu o culto daimista. Tentarei mostrar que esta religião, organizada nos anos trinta, respondia ao contexto social emergente, num processo simultâneo de redefinição de velhas tradições e reelaboração de novos valores e práticas.

Coordenador: Mauro Almeida – Antropologia/UNICAMP

14:00 às 14:30hs – Ayahuasca e Legalidade

Domingos Bernardo G. SáVice-Presidente e membro jurista do Conselho Federal de Entorpecentes (CONFEN) – “Ayahuasca – A consciência da expansão”

A História das percepções é uma história de choques, exaltação e condenção. Mais facilmente exaltamos aquilo que também nós somos capazes de perceber. E somos pródigos em condenar, como loucos, aqueles que percebem o que não atingimos.

14:00hs às 17:30hs – Mesa 02 – Aspectos Psiquiátricos, Psicológicos e Rituais do Uso da Ayahuasca

Paulo Cesar Ribeiro BarbosaDepartamento de Psicologia Médica e Psiquiatria – UNICAMP

Introdução: Embora as práticas religiosas e os rituais que envolvem o uso ritual da beberagem alucinógena Ayahuasca venha crescendo em nosso meio, seus efeitos sobre a saúde mental ainda não foram esclarecidos.

Objetivo: Avaliar os efeitos a curto prazo do uso ritual da Ayahuasca sobre a saúde mental e sintomas psiquiátricos.

Material: 30 sujeitos, distribuídos em duas religiões que usam a Ayahuasca, o Santo Daime e a União do Vegetal, foram avaliados com entrevistas estruturadas e abertas.

Método: O estudo consistiu numa investigação prospectiva na qual os sujeitos foram avaliados 2 dias antes de sua primeira experiência com a Ayahuasca (TO) e 7 dias após esta experiência (T1). No TO e T1 foram aplicadas uma escala referente a sintomas psicopatológicos menores, a CIS-r, e entrevistas abertas direcionadas a avaliação de problemas envolvendo situações profissionais, familiares e relacionamentos inter-pessoais diversos. também foi aplicada uma entrevista objetivando a descrição dos estados subjetivos vivenciados durante a experiência com o alucinógeno. Os dados da CIS-r foram analisados estatisticamente, e os dados das demais entrevistas foram analisadas segundo o referencial da psiquiatria cultural.

Resultados: Nenhum episódio de psicose reativa foi registrado. Observou-se uma queda significativa dos sintomas entre o TO e o T1. As entrevistas abertas revelaram modificações dos sujeitos em lidar com problemas diversos, envolvendo atitudes mais tranquilas em relação a questões profissionais, familiares e inter-pessoais variadas. Essas modificações foram associadas às experiências com a Ayahuasca, nas quais a dimensão daqueles problemas era relativizada.

Conclusão: As diferenças registradas entre o TO e o T1 explicam-se pelos efeitos estruturantes do contexto religioso e ritual em que se dá a experiência com a Ayahuasca. Neste contexto, intenções outras que não o desejo por uma experiência espiritual genuína são inibidas, evitando os riscos de experiências negativas comuns no uso lúdico de alucinógenos. A dimensão de problemas cotidianos é reavaliada sob a perspectiva otimista dessas religiões. Esta perspectiva é operacionalizada durante o ritual mediante narrativas mitológicas e doutrinação, cujos efeitos nos participantes são maximizados pelas modificações no estado de consciência causadas pelo alucinógeno.

Glacus de Souza Brito – Diretor do Centro de estudos médico científico do Centro Espírita Beneficente União do Vegetal (UDV) – São Paulo

Em 1993, um amplo estudo de natureza fitoquímica, farmacológica, clínica e psiquiátrica com o chá preparado a partir das plantas Banisteriopsis caapi e Psychotria viridis, no contexto da União do Vegetal, foi conduzido por nove centros de pesquisa universitários do Brasil e do exterior que participaram deste projeto. A metodologia e resultados são apresentados bem como um perfil institucional da UDV.

Dr. Eliseu Labigalini Jr. PROAD e UNIFESP/EPM

O objetivo deste estudo é realizar uma avaliação qualitativa das vivências subjetivas e relações estabelecidas por usuários de ayahuasca em um contexto religioso, a UDV (União do Vegetal), que apresentavam quadro de dependência ao álcool no período anterior à entrada deste indivíduos na instituição. Foram realizadas entrevistas abertas de cunho etnográfico, além de observação participante no contexto de um dos núcleos da UDV no interior de São Paulo. Os resultados deste trabalho demonstram que o estado de consciência induzido pela ayahuasca dentro de um contexto ritualizado, favorecem um contato intenso com o inconsciente e a possibilidade de integração deste material pela consciência. Além disso, o resgate da religiosidade e de sua importância na vida destes indivíduos parece ter exercido um papel marcante na vida dos mesmos.

Edward MacRae – Antropologia – UFBA – “Controle ritual do uso de ayahuasca na religião do Santo Daime”

Substâncias psicoativas não carregam seus efeitos embutidos. Já é senso comum dizer que estes são fruto de uma relação entre fatores farmacológicos (natureza da substância, dosagem), psicológicos (personalidade do usuário, expectativas quanto aos efeitos) e socio-culturais (contexto de uso, significado atribuído a ele). Nesta comunicação será discutida a modelagem ritual dos efeitos produzidos pela ingestão da ayahuasca durante as cerimônias do Santo Daime e a sua importância na prevenção de consequências pessoais e sociais negativas.

Coordenador: Clodomir Monteiro – Antropologia UFAC?PUC-SP

05 de novembro de 1997

9:00hs às 12:00hs – Mesa 03 – Ecletismo Religioso em Doutrinas que Utilizam a Ayahuasca

Wladimyr Sena Araújo – Antropologia/ UNICAMP

Em 1945, um homem “sonhou” que estava deitado às margens de um igarapé. De lá desceram dois anjos que lhe entregaram uma missão que por ele deveria ser cumprida. O seu nome era Daniel Pereira de Mattos, negro oriundo do Maranhão que fundou o Centro Espírita e Culto de Oração Casa de Jesus Fonte de Luz – a Barquinha, como popularmente é conhecida em Rio Branco – AC.

O Centro Espírita e Culto de Oração Casa de Jesus Fonte de Luz, fundado no ano de 1945 desenvolveu ao longo de sua trajetória histórica um vasto repertório simbólico, construído gradativamente pelos marinheiros do mar sagrado.

O trabalho que pretendo apresentar neste encontro será dividido em duas partes. Na primeira delas farei uma pequena discussão acerca de como podemos pensar o sentido cosmológico destes centro que utilizam a ayahuasca no Estado do Acre e em outras regiões do Brasil e exterior. Na segunda, trabalharei os principais símbolos que compõe o quadro cosmológico da Barquinha.

Afrânio Patrocínio de Andrade – UMESP

1. Sincretismo religioso – Nossa comunicação se dará em 4 momentos. Iniciaremos tentando uma definição para sincretismo religioso: a) utilização de conceitos originários na vida de outra religião; b) reformulação da própria religião, acrescentando a si idéias e práticas originárias de outro contexto religioso; e c) concepção de uma “religião fundamental” da qual derivam todas as práticas em particular como fragmentos. O sincretismo religioso seria a busca da recomposição deste “todo”. Estas alternativas não são excludentes.

2. Sincretismo religioso na concepção doutrinária – apontaremos o sincretismo presente na própria fundação da religião: nenhuma religião nasce do acaso, mas é a somatória de concepções dispersas em torno de um eixo comum: a doutrina ou sistema de crenças.

3. Sincretismo religioso na prática religiosa – apontaremos que, além da concepção, o sincretismo se dá na prática das religiões em particular, na medida em que: a)têm sistemas de crenças compatíveis (confusão de valores religiosos); e b) apresentam projetos similares (esforço conjunto: para sobreviver, dominar etc…).

4. Sincretismo religioso nos rituais da ayahuasca – Nesta última parte aplicarermos o “modelo” ensaiado anteriormente às doutrinas que utilizam a ayahuasca: limitando-nos ao Santo Daime e à União do Vegetal, analisando Hinos do Santo Daime e uma chamada da União do Vegetal.

a) – Santo Daime – Análise dos hinos “Só eu cantei na Barra” e “As Estrelas”

b) – União do Vegetal – Análise da chamada “Todo cipó que existe na Hoasca”.

Luis Eduardo Soares – IUPERJ/UFRJ

Antonio Alves – Alto Santo

A comunicação consistirá de uma série de comentários sobre a formação da doutrina de Irineu Serra e seu ambiente nativo, a Amazônia Ocidental. Há relações sociais e culturais muito particulares no período inicial do trabalho do Mestre Irineu, nas décadas de 20 a 50, em que se definem os elementos básicos de sua doutrina e se consolida a comunidade do Alto Santo. ë importante perceber como essas relações se modificam nas décadas seguintes e como os valores herdados da origem confrontam-se com a realidade contemporânea.

Alex Polari – Vice- Presidente do Centro Eclético da Fluente Luz Universal Raimundo Irineu Serra – CEFLURIS

Pretendo abordar o uso ritual da bebida sacramental denominada Santo Daime ou ayahuasca analisando alguns dos principais rituais tanto no tocante ao seu significado espiritual e iniciático, quanto aos seus aspectos terapêuticos e profiláticos. Destacaremos dentre deles o ritual de feitio, ou preparo cerimonial da bebida sacramental enteógena, visto a importância com que ele se reveste tanto para a fé daimista como para a vida da comunidade. Analisaremos o Feitio em seus dois aspectos: 1) Enquanto processo de trabalho que leva a produção material do veículo sagrado; 2) Enquanto autêntico trabalho de alquimia espiritual. Isto porque o Feitio exige um trabalho intenso e prolongado, físico e mental dentro de um profundo estado de consciência expandida, o que nos torna conscientes de conexões inusitados entre o processo material e espiritual, entre fazer e o fazer-se. A palestra será ilustrada com slides.

Coordenador: Robin Wright – Antropologia UNICAMP

14 às 15:00hs – Palestra: “A investigação Cognitiva da Experiência da ayahuasca”

Benny Shanon – Hebrew University, Jerusalém – Israel

15:00 – 18:00hsMostra de Filmes e Vídeos

“Guardiões da Floresta”, de Sérgio Bernardes – 50 min

“Le Don Sacré” – de Patrick Deshayes – 1:30hs

“Navegando nas águas do Mar Sagrado” – de Wladimyr Sena Araújo – 20 min