Na próxima sexta feira dia 26 às 19 horas, será lançado no Jardim Botânico do Rio de Janeiro, o filme A Linha da Lealdade, dirigido e fotografado por Noilton Nunes.

O filme é dedicado a Glauco Vilas Boas e a seu filho Raoni, que faleceram na semana passada em Osasco, São Paulo. Raoni participou das filmagens.
O documentário realizado no Seringal dos Estorrões, no Amazonas, apresenta o projeto sócio ambiental Linha do Tucum desenvolvido com o apoio da Petrobrás, na comunidade Céu do Juruá, próxima à divisa com o Acre e fronteiras com o Peru.  
A comunidade liderada por Alfredo Gregório de Melo, filho do falecido Padrinho Sebastião, se estabeleceu às margens do rio Juruá, numa imensa região de grandes rios da bacia amazônica, reconhecida como a de maior biodiversidade do planeta.

A equipe do projeto Linha do Tucum viajou junto com uma comitiva de estrangeiros que veio em peregrinação para se aperfeiçoar nos trabalhos religiosos da Doutrina do Santo Daime e participar de experiências comunitárias e ecológicas. 

Histórico:

A relação do cineasta Noilton Nunes com o Santo Daime.

1982. 

O Ministério da Justiça decidiu enviar uma expedição ao Seringal Rio do Ouro, no Amazonas para investigar o ritual do Santo

Daime. Logo que viu a notícia nos jornais, Noilton telefonou para Sérgio Santeiro, então presidente da ABD – Associação Brasileira de Documentaristas pedindo apoio para integrar a expedição. Existe uma tradição de documentaristas acompanharem expedições no Brasil; grandes expedições pelo território nacional chegaram ao conhecimento público por causa do trabalho dos documentaristas; primeiro pelos cronistas que relatavam os acontecimentos; depois desenhistas, pintores, fotógrafos e cinegrafistas que nos deixaram verdadeiros tesouros de imagens e sons.

Santeiro enviou logo um telegrama ao ministro da Justiça propondo que um documentarista acompanhasse os trabalhos e em pouco tempo Noilton foi convidado para fazer parte da expedição. Junto com militares, promotores públicos, polícias federais, médicos, psicólogos, professores, antropólogos e sociólogos, ele mais uma vez embarcava para a Amazônia. As investigações no seringal transformaram-se no documentário Daime Santa Maria, que lançado em 1984 provocou muita polemica por mostrar rituais completos da comunidade liderada pelo Padrinho Sebastião com a ayuasca e com a erva de Santa Maria, mas hoje é referencia sobre a história desse povo e para debates sobre religião, plantas medicinais e drogas.

2009.

27 anos depois, Noilton partiu novamente para um seringal na Amazônia, agora para documentar o Projeto Linha do Tucum, aprovado num edital da Petrobrás sobre Patrimonio Imaterial. Depois de 3 noites e 3 dias de viagem de barco no caminho para o Céu do Juruá, em julho, na época das vazantes é necessário desembarcar muito longe da sede do seringal, caminhar muitas horas pela floresta encharcada e ainda usar canoas. 

Finalmente terra firme, onde as águas não alcançam durante a época das enchentes e chega-se a área com 3 grandes lagos e inúmeros igarapés onde nasceu Alfredo Gregório de Melo, o Padrinho  Alfredo, atual líder do Santo Daime, filho do falecido Padrinho Sebastião. Alfredo, iniciou em l996 um trabalho de resgate familiar e escolheu esse lugar para implantar a Vila Ecológica do Céu do Juruá. A comunidade desenvolve experiências de desenvolvimento auto-sustentável ecologicamente e pesquisas para se desvendar mistérios e segredos da natureza. Também é o centro de encontros espirituais que vêem acontecendo nesta região da floresta amazônica.

Comments are closed.