Por Bia Labate (*)

Lamento a morte de Rian e expresso minha solidariedade à família.

Contudo, é igualmente lamentável ver a mídia repetindo velhos estereótipos sobre a ayahuasca. Escrevi bastante sobre isto na época do Glauco (veja http://bit.ly/1M7LITW, http://bit.ly/1M7LMmD, http://bit.ly/1Bt9OGK)

Sem pesquisa, ou nenhum tipo de evidência – por exemplo, detalhes sobre em que condições tomou a substância, quantas vezes, qual foi a última vez, se tinha um quadro psiquiátrico prévio, se havia co-morbidade etc –, pulam facilmente para a conclusão de que a ayahuasca teria seria responsável pela morte. Ninguém insinua, por exemplo, que poderiam ser os medicamentos antidepressivos, temporadas isoladas na natureza, período de internação, longos jejuns, ou passagem por João de Deus (coisas que Rian também fez) os responsáveis pela morte. A ayahuasca deve ser, obviamente, a causa.

Sabe-se que a ayahuasca, classificada normalmente na família clássica dos “alucinógenos”, é uma substância forte e poderosa, e pode sim, em determinados casos, envolver reações adversas (assim como outros psicodélicos). Publicamos dois livros que abordam de alguma maneira este assunto: Ayahuasca y Salud (Los Libros de la Liebre de Marzo, 2014) e The Therapeutic Use of Ayahuasca (Springer, 2014). O resultado da pesquisa cientifica é claro: (a) pode sim haver riscos; (b) há inúmeras evidencias de benéficos; (c) os benefícios são muito maiores do que os riscos; (d) o contexto de consumo é fundamental; (e) no Brasil, o uso da ayahuasca ocorre sobretudo em contexto ritual e religioso.

Existe um debate de 25 anos no nosso país a respeito da regulamentação da ayahuasca. A mídia, ao contar histórias como a de Rian, promove um reducionismo ao agir como se nunca tivesse havido uma discussão sobre este tema.

Indo além: ainda que fosse provada uma causalidade entre a morte de Rian e o uso da ayahuasca, a questão da regulamentação ainda se colocaria. Por exemplo, algumas celebridades famosas morreram por conta do uso indevido do álcool. Alguém cogita suprimir a existência do álcool por conta destas tragédias? Não.

A regulamentação do uso da ayahuasca no Brasil é um exemplo de política pública eficaz, que tem influenciado países de todo o mundo. É uma iniciativa única onde o governo se reuniu com praticantes e pesquisadores para chegar a acordos comuns, que funcionassem para todos.

Esta regulamentação poderia ser melhor? Sim, claro. É bom utilizar este triste episódio para pensar concretamente que controles e contextos poderiam ser aprimorados? Sim. Mas a caça as bruxas, o acionar de velhos tabus e estigmas, a associação entre loucura e droga, ou droga e violência, só colabora para atrofiar a realidade existente (uma determinada população que bebe a ayahuasca ou irá beber). Este tipo de mídia faz a discussão voltar para atrás.

Termino compartilhando que realizei pesquisa etnográfica no grupo Porta do Sol em suas origens em São Paulo, retratando-o no meu livro A Reinvenção do Uso da Ayahuasca nos Centros Urbanos (Mercado de Letras, 2014). Minha pesquisa com este grupo é bem antiga, ocorreu entre 1998 e 2000. Atesto que na época encontrei pessoas responsáveis e amáveis, tanto na direção quanto entre os participantes. Não acompanhei de perto os desdobramentos da expansão e diversificação deste grupo.

Antes de vilificar a ayahuasca, como notou um colega, seria importante a mídia destacar a importância de colocar um aviso na praia onde Rian se afogou, pois os moradores da região relataram que o local não é próprio para banho devido à forte correnteza, e não há placa alguma nesta direção.

—————

(*) Este artigo foi publicado originalmente no meu Facebook: http://bit.ly/1rrlcB6

Comments are closed.