Rehen,Lucas Kastrup Fonseca. Recebido e ofertado. A natureza dos hinos na religião do Santo Daime. Dissertação de Mestrado em Ciências Sociais, UERJ, 2007.

Resumo:

A proposta do trabalho é investigar a música e sua centralidade nos rituais do “Centro Eclético da Fluente Luz Universal Raimundo Irineu Serra” (CEFLURIS) – vertente da doutrina do Santo Daime fundada na década de 70, responsável pela expansão da religião pelo Brasil e em diversos ouros países. A metodologia utilizada é a observação participante nos “trabalhos de hinário”, presenciados nas igrejas cariocas “Céu do Mar” e “Jardim Praia da Beira-Mar” e do conjunto de dez entrevistas em profundidade.

Além da descrição do campo e de uma revisão bibliográfica sobre a literatura antropológica do Santo Daime, o primeiro dos três capítulos da análise é aberto com a revisão de estudos da etnomusicologia para então abordar o ritual de “hinário” e a relação entre tempo e música na orientação de tarefas específicas durante as cerimônias; o que constrói entre outras coisas, uma nova concepção de “realidade” devido aos aspectos poético-musicais aliados ao contexto psicotrópico e ritualístico como um todo. No capítulo seguinte, analiso a interpretação nativa que descreve a gênese dos hinos religiosos como um “recebimento” e suas especificidades, contrapostas a uma idéia de “composição musical”. As falas do grupo sobre a natureza dos pensamentos, sentimentos e a subjetividade, refletem-se nas noções de sagrado e nas diferenciações hierárquicas nos salões das igrejas daimistas, em uma “micropolítica dos sentimentos”; dialogo desta vez com estudos da antropologia das emoções. O terceiro capítulo da análise está voltado para uma discussão sobre as situações que envolvem a oferta de hinos em um complexo circuito de dádivas, quando o daimista presenteia outro membro do grupo por intermédio de canções religiosas, ligando o mundo dos espíritos e os homens pelo ato do presentear. Esta etapa do trabalho também é precedida por uma revisão da literatura antropológica, desta vez voltada para estudos clássicos sobre a dádiva, destacando-se a discussão da troca como uma “gramática”.

Todas as fases da análise são introduzidas por revisões teóricas e, da forma como o trabalho está estruturado, os temas abordados nos capítulos iniciais são continuamente retomados ao longo das discussões. O argumento central da dissertação é construído sobre as seguintes questões: Qual o espaço ocupado pela música na vida diária dos seguidores da religião do Santo Daime e dentro dos rituais? De que maneira essas canções são como pontes de ligação entre as esferas sagrada e profana? Como as músicas orientam a práxis religiosa e as relações entre os crentes? De que forma os hinos religiosos do Santo Daime são capazes de suscitar e expressar sentimentos específicos? E enfim: como música e sentimento se articulam na conformação deste tipo de experiência religiosa?

SUMÁRIO:

Agradecimentos

Introdução

1. Do ponto de vista do antropólogo.
2. Metodologia e estrutura do texto

Capítulo 1: Contextualizando o universo do Santo Daime

1. Origem e desenvolvimento da doutrina do Santo Daime na pessoa de Raimundo Irineu Serra
2. A linha do Padrinho Sebastião e a expansão da religião
3. Peculiaridades no ritual do “Centro Eclético da Fluente Luz Universal Raimundo Irineu Serra” (CEFLURIS)

Capítulo 2: O Santo Daime como objeto de estudo da antropologia

1. Religião amazônica e teoria antropológica
2. O lugar da música na literatura sobre o Santo Daime
2.1 Primeiros passos na questão dos hinos

Capítulo 3: Tempo e Música nos “trabalhos de Hinário”
Antropologia da Música.
1.1 A música em Lévi-Strauss
2 O calendário religioso do Santo Daime
3. A estrutura musical de um hino
3.1 Aspectos rítmicos
3.2 Bailado
3.3 Harmonia e melodias
3.4 A temática dos hinos
3.5 Repetição das estrofes e narrativas míticas
4. Música e orientação de tarefas
4.1 O número de hinos tocados
4.2 As poesias ditando regras

Capítulo 4: O recebimento de um cântico: Entrando em contato com os “seres divinos”

1. Emoção e Sociedade
1.1 Émile Durkhiem: Efervescência coletiva e frenesi dos sentimentos
1.2 Emoção como “linguagem”: a perspectiva de Marcel Mauss
1.3 O surgimento da Antropologia das Emoções
1. 3.1 Catherine Lutz e a dicotomia pensamento/sentimento
2. Sentimento versus Pensamento: Por uma “etnopsicologia” do Santo Daime.
2.1 É preciso cantar, mas é preciso se calar
2.2 Subindo ao Reino do Astral
2.3 Micro-política dos sentimentos
2.3.1 Sentimentos conflituosos

Capítulo 5: A oferta de hinos: vínculos sociais e manifestação de afeto

1. Pressupostos teóricos: A troca como objeto de estudos das Ciências Sociais
1.1 Tomando o “Ensaio sobre a Dádiva” como ponto de partida
1.2 A perspectiva de Lévi-Strauss
1.3 William Miller: O “idioma” da troca e os presentes indesejados
2. Presentes do astral
2.1 Hinário encadernado: A biografia de um daimista
2.1.2 Cadê “Eu”? Onde está?
3. Circunstâncias e agentes da troca
3.1 Oferta e afeto sem datas prescritas: a questão da espontaneidade
3.2 Os hinos que curam
3.3 Cantando um hino que é a sua cara
3.4 Reinventando as datas do presentear
3.4.1 Um novo hino na “Oração do Padrinho Sebastião”
3.5 Da floresta até o mar, atravessando os oceanos
3. 5.1 Eu sou brilho do Sol
3.5.2 O anjo de Deus nos protege
3.6 Rompendo fronteiras
3.6.1 “O presente que o vento soprou, aos pés do Cristo Redentor
3.7 Adentrando o círculo dos padrinhos e madrinhas
3.7.1 Da vergonha à alegria: a amizade gerada da oferta
3.8 O potencial ofensivo de um hino ofertado.

Considerações finais

Referências bibliográficas

Anexo 1: calendário

Anexo 2: Partituras

Anexo 3: Estrutura do salão

Anexo 4: Fotos

Para entrar em contato com Lucas: lkastrup@terra.com.br

Comments are closed.