Título: Os Trajetos do Êxtase Dissidente no Fluxo Cognitivo Entre Homens, Folhas, Encantos e Cipós: Uma Etnografia Ayahuasqueira Nordestina, onde abordei o uso da ayahuasca entre grupos dissidentes nos estados de Pernambuco e Alagoas.

Autor: Wagner Lira

Resumo: O fenômeno ritual da bebida xamânica ayahuasca revela inúmeras potencialidades místicas, afetivas e culturais. Nossas urbes contemporâneas elaboram distintas configurações diante do alcance divinal promovido pela ingestão de tal infusão, oriunda dos antigos povos andinos. O uso do chá expandiu-se nos centros urbanos, por intermédio das principais linhas religiosas ayahuasqueiras brasileiras (daimista e udevista), responsáveis pela propagação de suas doutrinas pelo país e pelo mundo, construindo e ajudando a ampliar uma rede de relações formada a partir da ritualização deste enteógeno. Atualmente, observa-se o surgimento de novos grupos, que reinterpretam e dão continuidade à tradição, mesmo afastados das instituições ditas “originais”. Estes são os dissidentes, pois seguem um caminho próprio na comunhão do chá das florestas, permanecendo com a tradição, apesar da série de conflitos e acordos inerentes à legitimação de suas ações simbólicas e rituais. O direcionamento dos trabalhos espirituais permanece norteado pelos ensinos doutrinários elaborados pelos antigos mestres daimistas e ou udevistas, relembrados, reelaborados e cotidianamente adaptados às realidades dessas irmandades. A sacralidade da infusão continua atuante, de forma que, o alcance divinal promovido pela mesma não foge às atmosferas místicas e ritualísticas, de onde emergem padrões de consumo, que auxiliam os adeptos tanto no lidar com a experiência de adentrar no mundo da ayahuasca, quanto em tirar proveito dessas jornadas astrais, em prol da reformulação contínua de atos e conceitos inerente ao contato com o sagrado. Cabe à antropologia urbano-contemporânea o registro consciente dessas dissipações, no fortuito intuito de desmistificar àquilo que se ignora por não se conhecer. Cabe às ciências sociais como um todo tentar acompanhar e compreender o motivo da busca por tais práticas, aparentemente distantes, assim como o motivo que leva essas pessoas a se mobilizarem diante da construção de um novo grupo ayahuasqueiro, conseguindo produzir o próprio chá e ajudando, dessa forma, a dar continuidade e amplitude à tradição, com responsabilidade, a partir de suas necessidades e realidades materiais e espirituais. Dois núcleos nordestinos foram visitados para tal análise etnográfica: a Sociedade Espiritualista União do Vegetal, localizada no município de Riacho das Almas (PE) e o Centro de Harmonização Interior Essência Divina, situado em Riacho Doce (AL). Ambos dissidentes, mas derivados das antigas matrizes ayahuasqueiras. Ao longo dessa dissertação, direcionaremos nosso olhar tanto à mobilização desses dois grupos, quanto às suas interpretações simbólicas a respeito dos fenômenos presenciados em cada sessão ou trabalho, nos quais os fiéis se reúnem na comunhão desse chá sagrado que, para esses religiosos, é um ser vivo, divino, com poder, vontade própria, exigência e sabedoria.

Palavras- chave: Antropologia. Bebidas – rituais e costumes. Ayahuasca- chá e espiritualidade. Transcendência.

Leia aqui: http://www.scribd.com/doc/16264133/Os-trajetos-do-extase-dissidentedissertacaoayahuasca2009

Para entrar em contato com o autor: neoxamam@hotmail.com

Comments are closed.