Mestranda: Jacqueline Schneider

Orientador: Alberto Groisman

Dos Fios Quotidianos à Trama Terapêutica:

Subjetividade, Uso de “Drogas” e Experiência


Resumo:


Este trabalho aborda a perspectiva de usuários de “drogas” na grande Curitiba, no estado do Paraná, sobre as suas experiências que desencadearam o acionamento de intervenções terapêuticas, a partir de etnografia realizada em instituições que se voltam ao “tratamento de usuários de drogas”: igreja do Santo Daime Céu da Nova Vida, Comunidade Terapêutica Água da Vida e um grupo da Associação dos Alcoólicos Anônimos. Conjuntamente com relatos pessoais, notei que as experiências narradas assumiam o contorno de narrativas biográficas. Com estas indicações, busquei compreender as vinculações entre estes relatos específicos, as possibilidades de sua emergência e as experiências objeto de estudo. Pude perceber que estes locais envolvem uma série de características, representações e socialidades que punham em curso a projeção de uma “identidade de dependente químico” e através dela, com maior ou menor sucesso, a “incorporação de um habitus”. Como desdobramento deste processo, notei a produção de sujeitos, que definem modos de ser/estar no mundo, situados e constituídos através de deslocamentos internos à circunscrição do que podemos chamar de um “dispositivo das drogas”.

Expressões-chave: experiência, subjetividade e uso de “drogas”

Data: 21 de setembro de 2009, às 14hs.

Local: mini-auditório do CFH, UFSC

Comments are closed.