Dia: 19/dez
Hora: 14:00hs
Local: 36 bloco F IPUSP – Av. Prof. Mello Moraes, 1721 – USP
Autora: Stella P. Almeida (stella@usp.br)
Título: Sobre o uso de ecstasy: uma pesquisa com vistas à formulação de intervenção preventiva. 2005. 101f. Tese (Doutorado) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

Resumo:
O primeiro objetivo do presente estudo, de cunho metodológico, foi verificar a viabilidade da realização de uma pesquisa com usuários de ecstasy via internet. A metodologia desenvolvida para o recrutamento e coleta de dados atingiu os objetivos propostos, demonstrando-se viável e profícua, além de apresentar grandes vantagens em relação à coleta de dados presencial. O segundo objetivo foi oferecer subsídio para futuras intervenções de Redução de Danos para o uso de ecstasy. O questionário on-line foi respondido por 1.140 pessoas, primordialmente jovens, com boa formação escolar, inseridos no mercado de trabalho e/ou estudantes, pertencentes às classes socioeconômicas A e B, e poliusuários de drogas. As respostas dos participantes foram descritas estatisticamente e os dados comparados através dos testes t ou chi-quadrado, e analisados por regressão categórica (CatReg) em que se relacionaram os comportamentos de risco associados ao uso de ecstasy com as variáveis independentes relevantes. Os resultados não fundamentam a elaboração de materiais preventivos com direcionamentos específicos, seja para gêneros, para opções sexuais ou para classes socioeconômicas. Indicam, porém, locais privilegiados para a distribuição de material preventivo: ambientes de lazer noturno, festas e eventos ligados à música eletrônica, eventos como paradas comunitárias, e universidades públicas e privadas. São discutidos os principais conteúdos a serem veiculados, tendo sempre como princípio básico a transmissão de informações cientificamente comprovadas. Os dados mostram ainda que é crescente a disponibilidade de ecstasy no Brasil indicando urgência na implantação de um primeiro programa preventivo brasileiro voltado para essa droga. A acolhida e as declarações de interesse dos participantes demonstraram que o projeto inspirou confiabilidade, que existe demanda por intervenções na área e que uma proposta de Redução de Danos teria grande receptividade dos usuários de ecstasy, embora sua implantação dependa do interesse das autoridades responsáveis pela política pública brasileira em relação às drogas ilegais.

Palavras-chave: MDMA, ecstasy, internet, questionário on-line, Redução de Danos, prevenção do abuso de drogas, drogas psicoativas, drogas sintéticas recreativas.

1 Comment

  1. Anonymous says:

    Bia,
    Estou aqui relendo aquela entrevista que você me deu em 2001 sobre a ONU. É tão viva que provavelmente não vai caber na tese. Talvez desse um documentário. Você sobrepõe várias perspectivas de um modo rico demais para a sociologia. Pensei: ainda bem que essa moça nasceu no Terceiro Mundo.