Eduardo Viana Vargas nasceu Belo Horizonte, MG, em 1965. Possui graduação em Ciências Sociais com área de concentração em Antropologia pela Universidade de Campinas (1986), mestrado em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1992) e doutorado em Ciências Humanas: Sociologia e Política pela Universidade Federal de Minas Gerais (2001). Realizou pós-doutorado no Centre de Sociologie de l’Innovation da École des Mines de Paris em 2005/2006. Atualmente é Professor Adjunto IV de Antropologia na FAFICH, UFMG, onde coordena o Laboratório de Antropologia do Corpo e da Saúde. Foi editor da revista Teoria e Sociedade e é membro do comitê editorial das revistas Teoria e Sociedade, Devires (Cinema e Humanidades) e Três Pontos. É autor de Antes Tarde do que nunca: Gabriel Tarde e a emergência das ciências sociais (Rio de Janeiro, Contra Capa, 2000) e organizador de Gabriel Tarde Monadologia e Sociologia e outros ensaios (São Paulo, Cosac Naify, 2007), tendo publicado ainda vários artigos sobre uso de drogas lícitas e ilícitas, tema de sua tese de doutoramento. Suas áreas de atuação dentro da antropologia envolvem Teoria Antropológica, Antropologia Simétrica, Antropologia do Corpo e da Saúde, Antropologia Política e Antropologia Visual.

Para mais informações sobre sua biografia, clique aqui.

Para conhecer seus livros, clique aqui.

Para conhecer sua tese de mestrado e doutorado, clique aqui.

Para conhecer alguns textos de sua autoria, clique aqui.

1 Comment

  1. hipérico says:

    Professor, uma dúvida: no evento sucedâneo ao consumo da maconha, por que a fome inicial nos que se iniciam no seu consumo? isso deriva apenas da química envolvida no processo? entendo que a “larica” se encaixa em sua constatação: “Não estamos diante, portanto, de fantasias subjetivas dos usuários. Mas nem por isso estamos mais próximos de determinações objetivas por parte das substâncias”.(Uso de drogas: a alter-ação como evento)

    Uma dúvida a partir de uma “constatação” sociológica: qual o porquê do caráter evanescente das amizades constituídas em mesas de bares?
    Isso faz parte das lições de Baco? ( ao que o senhor devolveria: Baco dá lições?)

    Sou leigo, mas o senhor demonstra que, quanto a nós outros, não é preciso ser um “iniciado” nos (des)caminhos da Sociologia para se colocar a par dos trabalhos que indagam sobre os usos do corpo. Ainda bem.