Universidade de São Paulo

4 e 5 de dezembro de 2006

Sala de Vídeo do Depto de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Avenida Prof. Lineu Prestes, 338 – Cidade Universitária CEP 05513-970 – São Paulo – SP

Programação

4 de dezembro

9h00 – Conferência de abertura
A crise da mestiçagem e a busca de novas formas de relações interétnicas nos Estados-Nações da América
Federico Navarrete Linares – Instituto de Investigaciones Históricas, Universidad Nacional Autónoma de México

10h00 – Mesa 1: A escrita e os códices mesoamericanos: análise e uso como fonte histórica

A escrita mesoamericana e o códice Vindobonensis
Débora Bichler Duval Braga – Graduanda em História no Centro Universitário Franciscano e bolsista PROADIS/UNIFRA

Um olhar sobre o códice Zouche-Nuttall
Fernanda Daroda Dellamea – Graduanda em História no Centro Universitário Franciscano e bolsista PROADIS/UNIFRA
Elisabeth Weber Medeiros – Centro Universitário Franciscano

A escrita mesoamericana: dos códices pré-hispânicos aos códices coloniais – continuidades e descontinuidades
Janaina Vedoin Lopes – Graduanda em História no Centro Universitário Franciscano e bolsista PROADIS/UNIFRA

Considerações iniciais sobre a organização material do códice Telleriano Remensis
Gláucia Cristiani Montoro – Doutoranda em História pelo IFCH, Universidade Estadual de Campinas, e bolsista CNPq

12h00 – 13h30: Intervalo para almoço

13h30 – Mesa 2: História, religião e política entre maias e nahuas

De olhos para o céu: as observações astronômicas no mundo maia clássicoAnderson Gonçalves Gandor – Graduando em História no Centro Universitário Franciscano e bolsista PROADIS/UNIFRA

Escrita e poder político entre os nahuas: transformações e continuidades nos séculos XV e XVI
Eduardo Natalino dos Santos – Departamento de História da FFLCH, Universidade de São Paulo, CEMA/USP

Cultos e relações de poder: variações no patronato das divindades nahuas do planalto central mexicano no período pós-clássico
Marcia Arcuri – CEMA/USP, pós-doutoranda pelo Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo e bolsista FAPESP

13h00 – 15:30h: Intervalo para café

15h30 – Mesa 3: Relações de poder e alteridade no contato entre sociedades nativas e ocidentais

Mesmo bárbaro, o outro também conhece: a produção alimentar e manufatureira dos indígenas amazônicos na visão dos cronistas ibéricos (séc. XVI-XVII)
Auxiliomar Silva Ugarte – Universidade Federal do Amazonas

As chefias indígenas e a estrutura de poder colonial, sob o Diretório dos Índios (1758-1798)Mauro Cezar Coelho – Universidade Federal do Pará

O índio e a mestiçagem na construção da identidade chilena
Horacio Gutiérrez – Departamento de História da FFLCH, Universidade de São Paulo

Dia 5 de dezembro

9h00 – Conferência de abertura
A missão na dinâmica argumentativa dos jesuítas: o Informe das Missões do Marañon de Francisco de Figueroa, 1661
Fernando Torres Londoño – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

10h00 – Mesa 4: Estudos interdisciplinares de História e Etnologia Indígena
John M. Monteiro, Coordenador e Debatedor – Departamento de Antropologia, Universidade Estadual de Campinas

A narrativa visual do contato entre as tropas militares e os kaingang
Glória Kok – Pós-doutora pelo Departamento de Antropologia/CPEI, Universidade Estadual de Campinas

Imagens kaiowá do Forte de Iguatemi e seus impactos na sociedade contemporânea
José Maria Trajano Vieira – Doutorando em Antropologia Social, Universidade Estadual de Campinas

Cartografia dos postos de atração na fronteira oeste, em Mato Grosso
Lucybeth Camargo de Arruda – Doutoranda em Antropologia Social, Universidade Estadual de Campinas

Processos territoriais, discursos sobre o passado e etnopolítica: apontamentos sobre a “questão” mapuche
Raúl Ortiz Contreras – Mestrando em Antropologia Social, Universidade Estadual de Campinas

12h00 – 13h30: Intervalo para almoço

13h30 – Conferência de abertura
Porque estudar as crônicas
Antonio Porro – Pesquisador no Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo

14h30 – Mesa 5: Fontes escritas nos estudos das sociedades andinas

Os cronistas dos séculos XVI e XVII e a história do mundo andino
Elisabeth Weber Medeiros – Grupo de Estudos da América Indígena do Centro Universitário Franciscano

A representação da mulher inca na obra de Felipe Guaman Poma de Ayala, séc. XVII
Luciana de Campos – Doutoranda em Letras pela Universidade Estadual Paulista

De medicinas divinas a diabólicas; Psicoativos e os “bárbaros” do México e Peru na “Historia natural y moral de las Indias” do padre José de Acosta (1590)
Alexandre Camera Varella – Mestrando em História Social pelo Departamento de História da FFLCH, Universidade de São Paulo, bolsista FAPESP e pesquisador do NEIP (*)

Anotaciones sobre la extension e índole del Tawantinsuyu
José Carlos Fajardo – Departamento de Português e Espanhol, Universidade de Stanford

16h30 – 17h00: Intervalo para café

17h00 – Mesa 6: Fontes materiais nos estudos das sociedades andinas

O urbanismo incaico: as llactas e a construção do Tahuantinsuyo
Denise de Fátima Martins Oliveira – Licenciada em História pelo Centro Universitário Franciscano e bolsista PROADIS/UNIFRA

A função ritual da música no Peru antigo e a crônica de Guaman Poma de Ayala
Daniela La Chioma Silvestre – Graduanda em História no Departamento de História da FFLCH, Universidade de São Paulo, e bolsista CNPq

O tecido andino como sistema de comunicação: cultura e identidade
Elisa Akemi Watanabe – mestre em História da Arte pela Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo

18h30 – Considerações finais

——
(*)
De medicinas divinas a diabólicas; Psicoativos e os “bárbaros” do México e Peruna na “Historia natural y moral de las Indias” do padre José de Acosta (1590)
Alexandre Varella

O eminente jesuíta José de Acosta apresentou em 1590 um tratado sobre a América que seria logo traduzido para vários idiomas e publicado em diversos países da Europa. Versava principalmente sobre o México e Peru, núcleos do império espanhol nas chamadas “Índias Ocidentais”. Na “historia” de Acosta podemos observar como o cacau, a coca, a chicha, o tabaco, a vilca e outras substâncias psicoativas utilizadas por indígenas “mexicanos” ou “del Perú” são enquadradas num discurso que contrapunha atribuições e costumes considerados legítimos e “naturais” a outros impróprios e condenáveis, estes últimos associados a “supersticiones”, “hechicerías” e “idolatrías”. No extremo, Acosta pronunciaria expressamente que certos preparados nada mais eram que “medicinas diabólicas”, descartando qualquer serventia de substâncias consideradas pelos índios (segundo os termos do próprio padre Acosta) como divinas.

Comments are closed.