Ocorrerá uma importante reunião de representes des várias tradições usuárias da ayahuasca num evento organizado pelo Sexto Movimento pela Vida, em Palmas, Tocantins, dia 28 de maio, às 10:00hs.

Mesa Redonda: Os Usos da ayahuasca: aspectos religiosos, antropológicos e científicos

Mediadora: Bia Labate – antropóloga – (SP) (bia_labate@yahoo.com.br)
1. Ovídio Lobate – médico neurologista – (SP) (ipadma1@ig.com.br)
2. Paulo Roberto Souza e Silva – Dirigente do Santo Daime – (RJ) (ceflusmme@aol.com)
3. Edmir Oliveira – Dirigente da Barquinha – (DF) (edmiroliveira@ibest.com.br)
4. Helio Gonçalves – médico e dirigente da UDV – ( GO) (demec@udv.org.br)
5. Wilson Gonzaga – médico psiquiatra e dirigente da ABLUSA – Associação Beneficente Luz de Salomão – (SP) (wgonzaga@institutohermes.com.br)
6. Rogério Moacir Cunha – dirigente da Escola de Comunhão da Ayahuasca Mística Universal – (TO)
7. Leopardo Yawabane Huni Kuin – estudante do nishi- pae (ayahuasca) Huni Kuin (Kaxinawá) – (AC/SP) (yawabane@terra.com.br)

Dia 28/05 às 8:00hs ocorrerá também a palestra “A Poesia a Luz da Ayahuasca”, pelo poeta e escritor W. Striquer, de Tocantins.

Sobre o Movimento pela Vida (MPV):

É um movimento universalista têm ocorrido todos os anos, desde 1999, em Palmas, Tocantis. Constituído por pessoas e representantes da sociedade civil organizada, empresas privadas e órgãos públicos que promovem atividades de formação humana alicerçada nos conhecimentos sagrados, científicos, filosóficos e artísticos com o objetivo de propiciar a plenitude humana, favorecendo o equilíbrio entre mente, corpo e espírito. Em anos anteriores, o MVP teve como temas, entre outros: “Convivência e Paz” , “Construindo a Paz” , “Qualidade de Vida”. Neste ano (2005), o tema é “Quem ama cuida”.

O encontro será realizado no Centro de Ensino Médio – CEM, antigo Colégio Estadual de Palmas (Tocantins), entre os dias 26 e 28 de maio. Estão previsstas 170 atividades. Todas as atividades são oferecidas gratuitamente, inclusive a alimentação.

Para entrar em contato com a organização e obter a programação completa, escrever para Tânia Maria Ribeiro Cavalcante: taniamr@seduc.to.gov.br

2 Comments

  1. Dr. Renato Mayol says:

    Confesso que como médico dedicado à pesquisa básica e clínica há mais de 20 anos e outros tantos ou mais dedicados ao auto-conhecimento, com passagens e iniciações em ritos indianos e outros (e.g. Maharishi, Yogananda, Rosa-Cruz, Pró-Vida, ayawaska, espiritismo, teosofia, templários, etc), causa-me certo desconforto a idéia da existencia de drogas ditas enteógenas e alçadas ao altar como plantas de poder ou de plantas inteligentes. Ora, quase todas as plantas em maior ou menor grau tem alguma atividade farmacologica. Quando essa atividade é causar certo tipo de alucinações, daí a chegar a pensar que é o espirito dela que está nos orientando é um pouco além da conta. O que dizer então de animais que podem nos servir de alimento e que em principio teriam espiritos mais evoluidos? Ou então o que dizer dos indios aborigenes matarem e comerem seus inimigos para assim se apoderarem das suas caracteristicas? Estariam eles certos? Por analogia com a ayawaska, que para muitos, quando ingerida, causa nauseas e vomitos, como processo de purgação pelo espirito da planta, então, comer uma feijoada e passar mal, defecar e vomitar, não seria justo imaginar que isso seria devido à incorporação do ‘espirito de porco’? As plantas com compostos quimicos que interferem com nossas sinapses são capazes de nos trazer à tona o que está mergulhado em nós mesmos ou na nossa imaginação. E como produtos quimicos farmacologicamente ativos,sua difusão de forma alguma pode ser livre. Isso corresponderia a uma grande irresponsabilidade e como tal certamente não pode ser liberada sem passar pelo crivo da experimentação conforme estabelecido pela resolução normativa 196 do MS que regulamenta as diferentes fases da pesquisa Clinica no Brasil. Assim, atitudes como a dos franceses proibindo uso indiscriminado da ayawaska me parecem cercadas de muito bom senso. E fosse a ayawaska planta inteligente e com espirito de poder em si, não teria Cortez sido tomado como um deus pelos coitados dos Incas, que foram cruelmente humilhados e depois exterminados por aquele barbaro espanhol, digno embaixador do velho, evoluido e podre mundo.
    A menos que a planta de poder tivesse se bandado a favor dos espanhóis traindo a confiança dos pobres indigenas !

  2. helena garcia whitelock says:

    estou à procura do dr. renato mayol. já li um seu livro sobre câncer …se alguém tiver informações favor enviar para o email helesh1972@hotmail.com agradeço!