Quinta, 24 de abril de 2008, 17h30 Atualizada às 19h11 (Divulgada aqui).

Homem morre após aplicação com veneno de sapo

A polícia de Pindamonhangaba, no interior de São Paulo, investiga a morte de um homem de 52 anos que teria ocorrido em decorrência da aplicação de uma substância que contém veneno de sapo. De acordo com o delegado do 1º Distrito Policial da cidade, Vicente Lagioto, no último sábado, Ademir Tavares foi com o filho, Luis Gustavo Tavares, 25 anos, em um curandeiro, que teria passado a substância. Os dois e mais quatro pessoas receberam a aplicação, mas só Tavares sofreu reação adversa.
» vc repórter: mande fotos e notícias

“O filho dele disse que a substância se chama kambo e tem veneno de sapo entre as substâncias. É um espécie de santo daime. Depois da aplicação, a pessoa vomita e tem uma sensação de relaxamento”, disse o delegado.

De acordo com Lagioto, o curandeiro Jorge Roberto de Oliveira Rodrigues, 40 anos, também é empresário do setor de transportes. “Ele será ouvido amanhã acompanhado do advogado. Ainda aguardamos os resultados dos exames, mas ele pode ser indiciado, caso seja confirmada a morte em decorrência da substância”, disse.

Em depoimento, o filho de Tavares afirmou que o “kambo” foi aplicado no braço, como um emplasto, segundo informações da polícia.

3 Comments

  1. nubia coeli says:

    Lembrando sempre que o que diferencia o remédio do veneno é a dose. E a dose varia de pessoa para pessoa. E o que diferencia o curandeiro do charlatão? Entre outras, o inefável felling. Toma veneno de sapo quem quer. E toma de quem quer (infelizmente ou felizmente). Pular de paraquedas é ótimo, excitante, etc. Mui eventualmente, pode ser fatal. A diferença do potencialmente fatal Rivotril para o veneno do sapo, entre outras, é a bula. É tudo remédio. É bom para afastar depressão.

  2. Anonymous says:

    O problema é a popularização entre pessoas brancas. Porque Brancas ?
    Sentadinha toda criança que o tio explica. Saber dosagem, dieta, preparação cultural e psicológica, pra mordida de aranha, pernilongo, sapo, pitar. E depois criança branquela ? Morte pra quem não tem a cultura embutida, e pra quem toma no quartinho da casinha de concreto, setxsetting, ou seja, inadequado lugar pro passeio e pra medicina. O branco até cultura apossa e vende pra Bayer ou Pindamonhangabenses aloprados. Branco.

  3. Anonymous says:

    Cachaça manda gente aos montes para o limbo (os mais felizes), para o purgatório, para o Tártaro, inclusive, ou para as regiões mais sombrias da oitava esfera, pior que o astral inferior. Dizem que a lua é um cadáver celeste: está em processo de decomposição e é rigorosamente “sem vida”. Lá podem estar espíritos condenados a morte, sujeitos a suplícios indescritíveis, a degradação total. Hehe, espírito “condenado à morte”…coisas da cachaça também.
    O kambô matou um só. Matou um só…até aqui só matou um, só um, unzinho…que bobagem isso…trabalhando na polícia a gente mata mais do que cachaça…