A Resenha foi escrita por Alberto Groisman, um dos mais importantes estudiosos sobre as religiões ayahuasqueiras brasileiras, e publicada na revista de antropologia A Ilha, da UFSC. O pesquisador está passando uma temporada nos EUA como Visting Schoolar na Arizona State Univeristy, e está organizando um seminário sobre o status legal das religiões ayahuasqueiras brasileiras no mundo (clique aqui para saber mais a respeito).

Clique aqui para ler a resenha, que acaba de ser republicada no site do NEIP. Ou digite www.neip.info, “livros”, “O uso ritual da ayahuasca”, “resenhas em português”.

3 Comments

  1. Homem de Araque says:

    Num primeiro momento, pensei estar fazendo um curso de meta-linguística. Na terceira página travou meu pensamento e permiti que entrasse algo do imaginário popular.
    Lembrei de Vera Fischer. Deixei o pensamento livre para pensar um instante.
    A mulher é quase uma unanimidade.
    Houve uma Época em que estava linda. Ainda está. Mas, mandei Vera para a Arábia, preciso concluir a leitura e concluo que esgotar o estoque de uma reserva natural é fundamental. Poupança pra que te quero. Mas a aranha tece puxando o fio da teia.

    Graças a deus o vinho acabou…mas, hodiernamente, é capaz de jesus fazer uma pequena intervenção, afinal, é meu irmão.

  2. Sutilezas says:

    “O Senhor é muito sutil”.
    “Sutil é o Senhor”.
    “O senhor é muito sutil”.
    “Sutil.., é o senhor”.

  3. Machismo não says:

    “O senhor é muito sutil”
    “A senhora também”.