Clique aqui para ler.

1 Comment

  1. Matthew Meyer says:

    Matéria interessante, e é bom ver que a autora do blog está aparecendo na imprensa.

    Do outro lado, é uma pena que veículos da mídia nacional continuam a cometer erros básicos quando escrevem sobre esse assunto. No artigo tem pelo menos três erros de fato:

    1. “Entre 1999 e 2006 a UDV… [nos EUA] mantiveram suas práticas rituais…mas bebendo água em vez de chá.” Mas não foi a decisão da Supreme Court que liberou o chá. Foi liberado apartir do final de 2004, provisóriamente, enquanto a Supreme Court considerava o caso.

    2. “Irineu morreu sem apontar um sucessor.” Leôncio Gomes da Silva, como muitos sabem, foi designado como presidente do CICLU pelo Mestre Irineu ainda em vida. A saída de Sebastião Mota de Melo não resultou de um vácuo na liderança do centro. A história verdadeira é mais complicada e não foi abordada pela revista.

    3. Não se usa a “cruz de caracala” no Daime, e sim o cruzeiro, conhecido também como a cruz de Caravaca.

    Também achei digno de comentário a afirmação da autora deste blog, reproduzida no artigo:

    “Essas religiões foram perseguidas de várias formas por décadas. Se hoje o governador do Acre e o ministro da Cultura estão se manifestando favoravelmente a elas, é porque ocorreu a expansão desses grupos. Ninguém ia dar a menor bola se fosse apenas um fenômeno regional.”

    Uma vez que é impossível saber como seriam as coisas se não houvesse a expansão do consumo da ayahuasca, achei inusitada essa afirmação. Mas esse “quote” aponta outro assunto que não foi tratado no artigo: se destaca, no texto, o fato do processo do IPHAN para tombar o uso da ayahuasca como patrimônio imaterial, mas nada se fala sobre o fato que “o Santo Daime”–ou seja, o CEFLURIS–tem nada a ver com esse processo. Para mim isso é uma falha da matéria, já que tudo que se diz sobre o ritual do “Santo Daime” é baseado na prática do CEFLURIS (salão em formato de hexágono, “padrinho” que dirige o trabalho, etc.) e não a dos grupos que estão liderando nesse processo. Então teria sido interessante se você, Bia, tivesse falado mais explicitamente sobre esse jogo de política entre os grupos do Daime, em vez de se aliar implicitamente com o CEFLURIS como fez.

    Cheers,

    Matthew