por Kabash(*)

A História:

Salvia divinorum é uma espécie do gênero salvia. Existem aproximadamente 1000 espécies no mundo que pertencem a este gênero, mas apenas a Salvia divinorum é conhecida por induzir visões. A salvia pertence a uma grande família de plantas conhecidas como Labiatae. Também fazem parte desta família a menta e o orégano. A Salvia divinorum tem flores roxas muito belas e poderia ser cultivada apenas por este motivo, porém a grande maioria das pessoas que cultiva esta planta está interessada em seus fascinantes efeitos psicoativos.

Plantar e cuidar de uma Salvia Divinorum é uma experiência que pode ser considerada como sendo “mágica”, pois parece inspirar o cultivador de maneiras inexplicáveis. Além disso, o ambiente onde se encontra uma dessas plantas é influenciado positivamente.

O nome botânico Salvia divinorum significa “salvia dos adivinhos”. Nas condições certas e usada da maneira correta, a salvia produz um estado único de “transe divino”. Por centenas de anos, ela foi usada em cerimônias religiosas e de cura pelos índios Mazateca que vivem na província de Oaxaca no México, tendo sido e reservada por eles só para fins xamânicos. Vários registros descrevem que esses rituais louvavam a presença de uma entidade feminina ou “deusa sábia”. Derivam daí os outros nomes pelas quais a erva é conhecida: “Ska Maria Pastora”, “Yerba de Maria”, “Erva dos Adivinhos” entre outros. Há fortes indícios de que a legendária erva Pipiltzintzintli, que os Astecas utilizavam em suas cerimônias rituais há milhares de anos, era a Salvia divinorum.

Nos últimos anos há bem mais pessoas experimentando a Salvia divinorum. Seu uso tem se tornado tanto popular quanto controverso. Salvia divinorum é uma poderosa erva visionária, uma “planta de poder”. Esta planta é única. Ela não pode ser considerada como um placebo ou como um ácido ou uma maconha “legais”. Ela não é um substituto para nenhuma outra droga e não é comparável com qualquer outra droga. Embora nos últimos 10 anos milhares de pessoas do mundo tenham experimentado ao menos uma vez as folhas de Salvia divinorum, a maior parte destas pessoas não quis tentar a experiência pela segunda vez.

Se você pretende usar a Salvia divinorum, é extremamente importante que antes você conheça seus efeitos, os possíveis perigos e saiba como evita-los. A salvia tem muito a oferecer: fascinantes efeitos psicoativos, intensificação sensual, jornadas mágicas, encantamento, aparente viagem no tempo, insights filosóficos, experiências espirituais, e talvez até cura e “divinização”, mas a ela é intolerante com a ignorância. Se for usada de maneira estúpida pode virar-se contra você.

A Salvia divinorum e seu principal ativo, salvinorina A, são substâncias legais nos EUA, Europa, Brasil e na maioria dos outros países. A Austrália é o único país que passou a considerá-la ilegal. Devemos mostrar seriedade e respeito para que esta preciosa erva continue legal e possa ser usada por adultos responsáveis.

Há trabalhos científicos que afirmam que a Salvia divinorum tem sido consumida pelos xamãs Mazatecas há centenas de anos. Estes trabalhos não relataram nenhum dano à saúde que pudesse ter sido causado pelo uso desta planta, nem qualquer evidência de que este uso tenha provocado dependência, seja física ou psíquica. Também não há qualquer evidência científica de o salvinorin A e o salvinorin B sejam substâncias que causem dependência. Esta planta sagrada é reconhecida e respeitada por vários povos tradicionais do México. Entre estes povos, ninguém conta histórias negativas a respeito da salvia. Pelo contrário, a Salvia divinorum faz parte da cultura espiritual ou religiosa desses povos.

Existem substâncias das quais é necessária uma quantidade cada vez maior para se obter os mesmos efeitos. Estas são, em geral, prejudiciais à saúde. A salvia, porém, é diferente, pois há vários registros de que, à medida que a pessoa a utiliza, a quantidade necessária para produzir os mesmos efeitos é cada vez menor. Este fenômeno é denominado “tolerância reversa”. Ouvi falar em casos de usuários experientes que só precisavam “pensar” em Salvia divinorum para sentir seus efeitos. Este é um dos motivos pelos quais considera-se que seja impossível alguém ficar “dependente” deste medicamento espiritual. Além disso, tem-se afirmado que esta planta, assim como a ayahuasca, serve como tratamento contra dependência de drogas pesadas.

É preciso esclarecer que o uso de plantas ou substâncias é uma opção, e não uma necessidade imprescindível para a evolução espiritual. Há quem seja totalmente contra o uso de qualquer substância alteradora de consciência. Apesar disso, sempre existiram pessoas que acreditaram que a Salvia divinorum, assim como outras plantas sagradas, poderia auxiliar os seres humanos na descoberta da verdade sobre si e sobre o universo. Relatos de meditadores experientes afirmam que a Salvia divinorum induziria estados de consciência semelhantes aos de meditações muito profundas, obtidos raramente por eles. A opinião quase unânime é a de que a Salvia divinorum deve ser usada apenas para propósitos meditativos. Pessoalmente, eu também considero este o melhor caminho para seguir com esta grandiosa planta de poder.

O Cultivo:

A seguir, algumas dicas para quem deseja cultivar uma salvia em boas condições.

Para o cultivo da salvia, não são necessários equipamentos especiais, tais como luzes, esquemas hidropônicos ou quaisquer outros tratamentos artificiais, pois estas plantas se adaptam facilmente dentro de casa.

As mudas de salvia devem ser mantidas ao menos durante três semanas em seu vaso original, sem serem transplantadas. Isso as ajuda a se estressarem menos. Para transplantá-la, recomenda-se um vaso de cerca de 30cm, terra, húmus e vermiculina. Com o transplante as plantas sofrem um poço e perdem algumas folhas, mas isto não é grave, pois significa apenas que elas estão se adaptando ao novo ambiente.

Se você receber sua planta no inverno, o crescimento dela será reduzido até chegar a primavera. Neste caso, você poderá colocar alguns tubos fluorescentes para reforçar o crescimento (eu, particularmente, não uso). A Salvia gosta de luz solar, mas não em demasia. O ideal é que receba luz solar só de manha o no fim da tarde.

Se você optar por usar os tubos flúor, deverá colocar um timer para ligá-los durante 16 horas e mantê-los desligados durante 8 horas. Se as plantas forem pequenas, os tubos devem ser mantidos a uma distancia de 80 cm. Quatro tubos de 15w são suficientes para três a quatro plantas.

As plantas também podem ser colocadas perto de uma janela sem problemas, porém no verão a quantidade de luz que elas recebem deve ser reduzida pela metade. É importante que elas não sejam expostas a muito sol e calor, pois do contrário podem morrer rapidamente.

Quando as plantas perdem suas folhas maiores você pode deixá-las secar e aproveitá-las para fumar. As folhas pequenas são bem mais fracas, as melhores são as que estão com um tamanho acima de 15cm. As folhas que apodrecem ou ficam amareladas perdem a potencia rapidamente, assim, para que possam ser aproveitadas para fumar, é melhor que sejam arrancadas antes.

O ideal para que a planta esteja madura e suas folhas cresçam bastante é que ela já tenha alguns meses de vida ou cerca de 50 a 60cm de altura. Quando ela chega a estas condições, é um bom momento para tirar mudas. Isso é muito simples: é só pegar uma lamina de estilete ou um bisturi bem limpo e cortar abaixo do quinto ou sexto nó, depois tirar as folhas grandes e deixar só dois pares do topo do caule. Se as folhas do topo forem grandes é melhor diminuir o seu tamanho cortando-as com uma tesoura afiada e limpa. Depois disso, só precisa colocar a muda num copo com água limpa e trocar a água a cada 3 dias. Este copo deve ser deixado num lugar fresco onde não bata sol. Para se ter certeza que ele não receberá luz solar direta, o melhor é deixá-lo perto de alguma janela voltada para o sul. Depois de 10 dias as raízes começarão a nascer. Espere que elas cresçam cerca de 3 a 4cm para passar a muda para um vaso com terra.

Vasos: recomendo o uso de vasos grandes (cerca de 30cm de diâmetro) e de argila, porém podem ser usados vasos de plástico, que são mais baratos e também funcionam.As plantas crescem muito nos meses de verão. É bom colocar um bambu para segurar o talo, pois depois de certa altura elas podem quebrar. Este é o método pelo qual elas se reproduzem: os talos quebram, caem na terra e criam raízes.

Transplante: Quando chegar a hora, a planta deve ser mudada para um vaso maior. É importante saber que isto é sempre um choque para ela e lembrar que a planta deve sempre passar cerca de três semanas habituando-se ao novo ambiente. Também é importante aproveitar e tirar algumas mudas antes de fazer o transplante. Outra opção pode ser tirar algumas folhas.

Umidade: A salvia gosta de ambientes úmidos. Uma tenda de umidade pode ser uma boa opção. Isto pode ser feito simplesmente colocando um saco plástico fino e transparente ao redor da planta, ou montando uma tendinha de madeira e plástico translúcido. É importante deixar uns buracos para ventilação e lembrar que a planta não precisa de 100% de umidade. Eu prefiro, porém, não usar estes métodos, pois a planta se acostuma bem a climas menos úmidos e pode se ajustar sozinha. Basta colocá-la uma ou duas horas por dia no novo lugar, aumentando o tempo uma hora cada dia. Você verá que esta planta pode se adaptar a ambientes mais secos. Minhas plantas ficam no meu quarto, onde a umidade é em torno de 40 a 60% e elas adoram. Climas mais áridos, porém, podem requerer mais atenção, pois a aclimatação pode ficar um pouco mais difícil.

Como regar: A salvia gosta de água, porém o solo não pode ficar muito encharcado, ou a planta pode morrer rapidamente, pois as raízes apodrecem e ela vai ficando marrom de baixo para cima. Se isso acontecer, a melhor opção é tirar algumas mudas e colocar em copos diferentes para tentar ao menos salvar algum exemplar.

É importante, portanto, permitir que a terra seque. É fácil perceber quando a planta precisa de água, pois ela abaixa suas folhas. É melhor que falte um pouco de água do que ter água em excesso. É bom regar as plantas desde o fundo, colocando um pratinho sob o vaso. Coloque água no pratinho, observando como esta é absorvida pela terra. Cuidado para não deixar água em excesso, pois esta pode demorar para evaporar, fazendo com que a raiz apodreça. No verão, é mais difícil que isto aconteça, pois com o calor a água evapora rapidamente. É durante esta estação que é preciso prestar mais atenção para que a planta não seque.

A quantidade de água necessária também depende do tamanho do vaso: plantas em vasos pequenos precisam de mais água do que as que ficam em vasos grandes. Outro fator que influencia é a claridade que a planta recebe. Se elas forem cultivadas dentro de casa, precisam de menos água. No inverno, eu rego as minhas plantas apenas uma vez por semana e elas ficam bem.

Também é importante saber que a água da torneira tem sais que se depositam na terra e podem matar a planta. Eu recomendo o uso de água mineral ou água da chuva, que é a melhor opção.

O Ritual e o Uso:

Para uma utilização correta, recomendo que seja feita uma preparação prévia, tanto mental como espiritual. É importante lembrar que estamos lidando com plantas sagradas e devemos atuar com respeito e agradecimento. Uma defumação, tanto do ambiente quanto pessoal, é quase imprescindível para a limpeza e a purificação. Também é importante manter uma respiração mais relaxada e consciente. Além disso, a tentativa de conscientemente abaixar os batimentos cardíacos para entrar em um estado alterado de consciência antes de usar a salvia pode ajudar na experiência. Particularmente, gosto de acender algumas velas e, se o espaço permitir, uma linda fogueira. É necessário lembrar sempre de ter alguém lúcido por perto para prevenir desastres, especialmente com a utilização de extratos.

Para quem não sabe, os extratos são folhas de salvia fortificadas. Eles são obtidos através de um processo químico onde o princípio ativo é extraído e colocado em folhas secas de salvia. Estas ficam fortemente potencializadas, permitindo que se possa fumar uma quantidade menor.

Existe um método bem simples para a fabricação de extratos. A única coisa complicada é a obtenção de um dos ingredientes, que é a acetona 100%. Traduzi este método de extração relativamente fácil de um site. A extração se dá basicamente em duas partes: a primeira é uma extração com água, e a segunda com acetona. Este método produz extratos de alta qualidade, removendo a maioria das resinas que deixariam o extrato com uma consistência gomosa. Segue abaixo a receita. É importante que a pessoa que vai preparar o extrato esteja ciente que a acetona é inflamável e seus vapores são tóxicos.

Para produzir o extrato são necessárias:
– 100 gramas de Salvia Divinorum (a folha inteira ou as partes grandes preferencialmente);- 1 recipiente grande para misturar;
– um pedaço grande de pano de prato para coar;
– 3,8 litros de água destilada fresca (mas não gelada);
– 1 travessa de vidro (60cmx80cm);
– 1 moedor de café;
– 2 vidros ou frascos de um litro com tampa (pode ser vidro de maionese);
– 2 litros de acetona (não compre uma muito forte, e tenha certeza que ela evapora sem deixar resíduos. Faça o teste antes.);
– diversos filtros de café;
– um coador ou peneira para colocar os filtros de café. Não pode ser de plástico;
– 1 prato de vidro pequeno para a evaporação (nós usamos um que tem cerca de 20cm de largura e 3cm de altura).

Modo de fazer:

Pegue o recipiente grande e coloque o pano para coar nele de modo que as bordas fiquem para fora do recipiente. Coloque as folhas grandes de salvia no pano. Encha a bacia com água destilada fresca, cobrindo completamente as folhas. Certifique-se que a folha toda esteja submersa e molhada. Deixe repousar por apenas dez minutos, no caso de folhas inteiras, e sete minutos, no caso de folhas trituradas. Recolha as bordas do pano, envolvendo as folhas, retire-o da água e pressione, espremendo as folhas. Pressione delicadamente, retirando a maior parte da água das folhas. Descarte a água.

Como o salvinorin e insolúvel em água, a perda de princípio ativo nesta etapa do processo é pequena. A parte perdida fica junto com as resinas e os óleos que são solúveis. Considerando que apenas 12g de resinas são removidas do produto final, vemos que a perda é realmente pequena.

A seguir, coloque as folhas na travessa de vidro e seque-as no forno aquecido a 200 graus, girando e mexendo as folhas de vez em quando. Quando elas estiverem completamente secas, remova as folhas e deixe que elas esfriem até atingirem a temperatura ambiente. Verifique, então, se estão realmente secas. Remova a parte que será usada para produzir o produto final. Esta parte deve ser esmagada e reservada (5x=20g, 10x=10g, 15x=6.5g, 20x=5g). O restante das folhas deve ser moído no moedor de café ou triturado até virar um pó.

Depois desta etapa, não use mais nenhum utensílio de plástico, pois estes seriam dissolvidos pela acetona. Coloque as folhas trituradas em um dos frascos de vidro e cubra-as completamente com a acetona. Deixe repousar por 24 horas, agitando algumas vezes. Se a tampa do seu frasco de vidro tiver plástico, não permita que a acetona entre em contato com ela. Você também pode colocar um vidro, madeira ou metal no alto do frasco para impedir a evaporação. Após 24 horas, coloque o filtro de café no coador ou peneira, filtre a solução e coloque no segundo frasco. Esprema as folhas para retirar o excesso de acetona. Retorne-as ao primeiro frasco, adicione mais acetona e deixe descansar por 24 mais horas. Repita o processo de coar e adicione o segundo líquido ao primeiro. Descarte a folha. Derrame a solução da acetona na travessa de vidro e permita que evaporem aproximadamente 250 gramas da solução.

Coloque a folha triturada (que você tinha reservado no início do processo) no prato pequeno para evaporação e derrame a solução restante da acetona nela, raspando os lados da travessa. Quando a folha estiver ligeiramente úmida e não restar mais nenhum líquido no frasco, adicione algumas colheres de acetona às folhas e use-as para limpar a resina que estiver grudada no prato. A resina evapora rapidamente, então, para impedir que mais resina se deposite sobre alguma área do prato, é indicado agitá-lo freqüentemente. Quando isto secar, o processo terminou. É importante lembrar que a qualidade e a potencia do produto final são proporcionais à qualidade e a potencia do produto inicial.

Outra ressalva importante é que eu não recomendo dar extratos mais fortes do que 5x às pessoas que nunca tiveram experiência com Salvia. Nunca devemos fumar extratos sem a companhia de um “sister”, alguém lúcido e serio que possa manter a calma, já que é possível ter alguma reação fora do comum, como querer por a mão no fogo, sair andando e cair escadas abaixo, etc. Além disso, enquanto estivermos sob os efeitos da substância, não devemos nem pensar em dirigir ou utilizar maquinas.

Para os Mazatecas, o ritual consistia em levar ao paciente para o meio da floresta, onde, na escuridão da noite, eram colhidas as folhas de Salvia e entoados alguns cânticos religiosos para aumentar a “força” das folhas e agradecer ao espírito da Salvia ou “pastora”. Depois, as folhas eram enroladas como charutos e mascadas muito lentamente sem engolir a saliva, já que o estomago dissolve o principio ativo. Quando as folhas são mascadas, os efeitos aparecem depois de cerca de 30 minutos e de ter mascado de 12 a 18 folhas grandes, durando em torno de 40 a 60 minutos. Já quando a planta é fumada, eles duram no máximo de 5 a 20 minutos, sendo muito intensos.

Quando o transe passar, você sentirá os músculos muito relaxados e uma paz interior que te acompanhará pelos dias seguintes à experiência. Também há pessoas que sentem algumas sensações ruins, como a própria morte; ou o corpo derretendo. Podem ser sensações realmente fortes, e temos que estar preparados para lidar com elas sem medos e sem barreiras. Não é fácil. Minha própria primeira experiência foi aterradora. Mas, é possível aprender o caminho se quisermos trilhá-lo.

Referências:

Em Português:
· Site brasileiro http://plantadivina.vilabol.uol.com.br/
· O Guia do Usuario da Salvia versão em Português http://sagewisdom.org/usersguide.html
· Grupo de estudos brasileiro http://br.groups.yahoo.com/group/skapastora/

Em Inglês:
· Recita de Extratos http://www.erowid.org/plants/salvia…traction1.shtml
· Venda de extratos http://www.bouncingbearbotanicals.com/
· Informações e Plantas http://www.salvia-divinorum-scotland.co.uk/

(*) Este texto foi revisado por Isabel de Rose (belderose@yahoo.com.br), Doutoranda em Antropologia Social pela UFSC, correspondente do NEIP (www.neip.info) e colaborada do blog Alto das Estrelas.

22 Comments

  1. roberto says:

    oi bia, valeu!!
    seu blog presta um grande serviço de utilidade publica!!

    viva a informação!!!!
    viva a liberdade!!!
    roberto

  2. Luiz Duarte says:

    Bia Labate:

    Muito interessante este artigo a respeito da Salvia divinorum, a “hierba de la pastora”.

    O blog esta cada vez melhor ! Parabéns !

    Luiz Duarte

  3. Anonymous says:

    Excelente o artigo sobre a Salvia Divinorum. Parabéns!
    Gostaria de ser informado sobre a possibilidade de se conseguir uma muda da planta, aqui no Brasil. Grato.
    Artur Vasconcelos
    abv1960@yahoo.com.br

  4. Geovane says:

    Ótimo trabalho sobre a planta divina.
    Tive a graça de receber uma muda vinda da Escócia. Mas infelizmente ela chegou muito fraca e morreu.
    Me ofereceram novamente, mas dessa vez a planta seria aqui do Brasil, porém com um preço de custo absurdo.

    Gostaria de saber como eu poderia ter uma muda, se possível.

    Obrigado.
    Geovane Ferreira (geovanefc@gmail.com)

  5. Anonymous says:

    muito bom o artigo, parabens!!!
    gostaria de saber onde posso conseguir uma muda na cidade do rio de janeiro ou petropolis.
    carlosfred_22@hotmail.com
    obrigado

  6. Eu Sou Um Outro Você says:

    Ótima postagem!!!

    Sempre frenquentei o Santo Daime e pratico a meditação para ter uma maior expansão de consciência. Depois de ler esse arquivo tento imaginar como deve ser a experiência com a Salvia.

    Como posso conseguir uma muda desta sagrada planta.

    gtubone@gmail.com

    Obrigado.

    Paz e Luz.

  7. Anonymous says:

    bom dia, muito interessante o site e bem informativo, sou simpatizante do xamanismo, e gostaria de saber onde posso conseguir uma muda da Salvia divinorum? muito obrigado

  8. Anonymous says:

    saudações!
    eu possuia uma muda de salvia, porem desventuras ocorreram e acabei por perde-la…
    gostaria de saber onde eu poderia conseguir uma muda, se não for muito incomodo, gostaria muito de sua ajuda, desde já, muito obrigado.
    daniel210788@yahoo.com.br
    (21)81445687

  9. Anonymous says:

    achei o teu site muito interessante.

    o site brasileiro que você indica e onde eu acho que era possível encontrar a plante se encontra desativado.

    existe alguma outra referência de onde encontrá-la?
    meu email é eleonoraamaral@hotmail.com
    obrigada

  10. Akires says:

    onde posso comprar muda de salvia.

    obrigado.

  11. Anonymous says:

    gostaria muitode comprar uma muda de salvia divinorum ean.marinho@ibest.com.br

  12. andre says:

    adorei seu blog, muito esclarecedor!

    gostaria de adiquirir uma muda de Salvia Divinorum, você poderia me ajudar?
    aguardo sua resposta:
    andre_medpalmeira@hotmail.com

    obrigado!

  13. Anonymous says:

    Olá, boa tarde!

    As informações compartilhadas neste site são importantíssimas para o desenvolvimento das potencialidades humanas.

    Eu acredito no uso exporádico e consciente de plantas de poder para me familiarizar com realidades diversas e ter alguns insights.

    Já faz algum tempo que eu procuro uma muda de sálvia divinorum (encontrei, mas com um preço exorbitante!), portanto, gostaria de sua orientação de como conseguir uma muda desta planta (moro na cidade de São Paulo) por um preço justo.

    Aguardo um contato seu e parabenizo a sua iniciativa.

    José Luiz.
    email: zecassandri@yahoo.com.br

  14. call says:

    ola bia!
    como eu faço para conseguir uma muda de salvia?
    so uso plantas para tratamento de qualquer sintomas de doenças, nao faço uso de remedios convencionais,
    e li as propriedades da salvia divinorum, eu tenho outro tipo de salvia,que e usado na colinaria
    um abraço.
    callludwigsharman@yahoo.com.br

  15. Anonymous says:

    Oi!
    Vc sabe onde posso comprar uma muda de sálvia?
    Obrigado
    adeiss.vc @ gmail.com

  16. Trinca Marisqueira says:

    Oi, sou estudante de biologia e estou tentando adquirir a Salvia Divinorum, gostaria de receber informações:russelldias29@yahoo.com.br

  17. Anonymous says:

    boa tarde gostaria de saber como faço para adquirir um muda de sálvia,moro no rio de janeiro, gostaria de saber se existe algum lugar possivel de ser comprada por aqui no rio ou em outro lugar…. agradecido…
    rodrishowww@hotmail.com

    envie por favor para meu e-mail.

  18. Anonymous says:

    olá, também gostaria de saber onde posso comprar uma muda da planta, meu e-mail é heitorgiuliano01@hotmail.com

    obrigado desde já

  19. Daniel says:

    Esse site tem (ou pelo menos tinha) mudas, comprei com eles:
    http://www.mudasdesalviadivinorum.110mb.com

  20. Anonymous says:

    Moro em Brasília e gostaria de comprar uma muda da planta.

    Onde encontro?

    ricardovpaula@gmail.com

  21. luis says:

    Ola Meu nome é Luis e sou morador de São Paulo e como todos aqui gostaria de saber onde encontro muda da salvia divinorum para comprar, agradeço desde ja
    meu e-mail é: luisbugli@hotmail.com

    aguardo contato

  22. Anonymous says:

    Olá Bia,em 1º lugarparabens pelo artigo.Sou estudante de odontologia da cidade de são josé do rio preto,são paulo,e dealgum tempo para cá eu e meu professor de microbiologia,parasitologia e patologia bucal estamos interessados em fazer uma pesquisa com a salvia para produção de um tipo de “anestésico”ou “calmante” natural para a pratica clinica.Porém apesquisa está paralisada devido a falta da planta,uma vez que ela se faz necessaria para o estudo,logo,gostaria de saber como consigo uma muda dessa planta ou folhas,enfim,como tenho acesso a salvia.
    caso possa me ajudar meu email é MAU-MAU@LIMAO.COM.BR .
    desde já agradeço
    atenciosamente
    mauricio.