“A Suprema Corte Norte-Americana e o julgamento do uso de Huasca pelo Centro Espírita Beneficente União do Vegetal (UDV). Colisão de princípios: liberdade religiosa v. repressão a substâncias alucinógenas. Um estudo de caso”, por Arnaldo Sampaio de Moraes Godoy.

Clique aqui para ler.

Para entrar em contato com Arnaldo: arnaldogodoy@terra.com.br

3 Comments

  1. Vinicius V.R. says:

    Viva o povo classe A! Quer vivam nos EUA ou no Brasil, aplique-se a sentença popular: “direito tem quem direito anda”. Ou será que desta feita a voz do povo não é a voz de Deus, já que não foi questão de domínio público, e sim, de justiça?? É huasca prá valer. Li o artigo e amei, Beatriz nossa de cada dia.
    As próximas orações dependem do próximo. Do próximo post.

  2. Yahmada Desdêmona says:

    “Bate, bate, bate Coração,
    dentro desse Velho peito,
    que já está acostumado,
    a ser maltratado,
    a não ter direito,
    bate coração, não ligue,
    deixe quem quiser falar,
    pq o q se leva dessa vida
    coração, é o amor q a gente
    tem pra dar,
    oi Tum, Tum, Tum,
    Osíris é TUM!”

  3. Das_brugmansias says:

    Exala perfume agradável. Na Sibéria, segundo a lenda , as mulheres preparavam um veneno chamado “Dur” para matar seus maridos. Em Delfos, os sacerdotes serviam-se da planta para provocar delírios na pítia quando do seu encontro com o oráculo.