Título: Infinito povoado: domínios, chefes e lideranças em um grupo indígena do Alto Juruá

Autor: Paulo Roberto Homem de Góes

Dissertação de Mestrado em Antropologia Social, Universidade Federal do Paraná, 2009.

Resumo

O presente estudo é um esforço de aproximação da dinâmica sociopolítica Katukina, grupo da família lingüística pano residente nas Terras Indígenas Gregório e Campinas, ambas no estado do Acre, Brasil. Através de pesquisa em fontes etnológicas, historiográficas e de minha própria etnografia, busco uma aproximação das relações que os Katukina constituíram com não-indígenas durante o período da colonização da região do Alto Juruá e aquelas que vem constituindo contemporaneamente a partir da noção de “conhecimentos tradicionais”. Para tanto, insiro uma reflexão sobre a dinâmica sociopolítica nativa, pensada em termos tanto da constituição dos grupos domésticos e das aldeias, como também de um esquema relacional que perpassa os contatos com diversas formas de alteridade. Se a dinâmica sociopolítica nativa pressupõe a existência de inúmeros domínios com os quais a relação é a um só tempo produtiva e perigosa, devendo ser, portanto, equilibrada, que produtividade e que perigos estão latentes à intensificação das relações com os domínios não-indígenas? Que questões por sua vez este contato insere aos não-índios? Como veremos as relações interétnicas permeiam esta dissertação na medida em que o cotidiano Katukina/Noke Koï nos dias de hoje é permeado por elas. A busca por constituir este quadro parte da dinâmica nativa.   

 

Abstract

The present  study is an attempt to approach the Katukina sociopolitical dyinamics, a group from Pano linguistic family resident in Gregório and Campinas Indegenous land, both located in the state of Acre, Brazil.  By sourching in etnological and historical sources and from my own etnolography, I seek an approchement of relations that the Katukina constituted with non-Indians during the colonization period of upper Juruá region and from those that have been constituting contemporaneously from the concept of traditional knowledge.  To do that, I propose a reflection on the native sociopolitical dynamic conceived not only in terms of the constitution of the domestic groups and villages but also as a relational schema that encompasses the contacts with various forms of otherness. Considering that the sociopolitical dynamic native assumes the existence of many domains with which the relationship is at the same time productive and dangerous, and should therefore be balanced, what productivity and what dangers are latent to the intensification of relations with non-indigenous domains? What issues this contact inserts to the non-Indians? As we are going to see, the interethnic relations permeate this dissertation by the time that the daily Katukina / Noke Koï routine is permeated by them. The efforts to constitute this, are part of the native dynamic.

 Obs: Ver terceiro capítulo sobre processos que envolvem a relação de não-indígenas e curadores Katukina referentes ao uso de kampo e ayahuasca.

Para ler o texto: http://www.neip.info/html/objects/_downloadblob.php?cod_blob=501 

Para entrar em contato com Paulo: paulohomendegoes@hotmail.com

Comments are closed.