Observações sobre o documento do Grupo de Trabalho do Conselho Federal de Entorpecentes – CONFEN . In; FROÉS, V.. Santo Daime Cultura Amazônica – História do Povo Juramidam. Manaus – AM: SUFRAMA, 1986. pp.187-193.

O Controle Social do Uso de Substâncias Psicoativas; In:Conversações Abolicionistas Uma Crítica do Sistema Penal e da Sociedade Punitiva, Edson Passeti e Roberto B. Dias da Silva (orgs.),São Paulo,IBCCrim,PUC/SP,1997, 9 páginas.

2 Comments

  1. viniciado tabagista says:

    Importante o artigo porque remete as primevas observações (grupo de trabalho, etc) sobre o padrao de consumo da ayahuasca naquele contexto de assombro criado pelo fantasma mais ativo que possa existir, a saber, o demônio da repressão nos moldes do dominador.
    Mas, cara Bia, os links estão remetendo a um só artigo e “O Controle Social do Uso de Substâncias Psicoativas” não tá devidamente “linkado”, tá ligada?

  2. neo anti-proibicionista says:

    Ao concluir a leitura do segundo artigo desse post, suspeito que a dinheirama corrente nas operações clandestinas vinculadas ao tráfico de drogas e fabrico de armas financiam a campanha a deputados , senadores, vereadores, prefeitos, governadores e até mesmo presidentes, todos defensores da imagem estigmatizada da droga como algo de muito perigoso (meia verdade que pode se tornar inteira), que põe em risco a família, a estrutura social do trabalho, do lazer, das crenças sadias.
    Penso que não interessa aos envolvidos a linguagem clara, a abordagem lúcida sobre o tema das drogas, do narcotráfico, dos contextos possíveis de um uso auto-regulado e legal.
    Vou me candidatar ao alistamento voluntário no exército dos anti-proibicionistas.
    Me avisem quando for o momento de usar as armas (papel, caneta, voz, imagens, etc). As únicas que me parecem, merecemos de fato utilizar.