Gomes, Bruno Ramos; Soares, Kleber de Almeida; Castilla da Silva, Ricardo; Costao, Thiago Godói. Sentido do uso ritual da ayahuasca no Templo do Mestre Yagé. Trabalho de Conclusão de Curso de Gradução em Psicologia, Universidade Presbiteriana Mackenzie, 2005.

Resumo:
Este trabalho tem o intuito de estudar o sentido do uso ritual da ayahuasca para alguns freqüentadores do Templo do Mestre Yajé, localizado no distrito de Taiaçupeba, em Mogi das Cruzes, estado de São Paulo, pensando a possibilidade desse uso levar a um encontro com o que é mais próprio da pessoa, de acordo com a analítica existencial heideggeriana. Usado desde tempos remotos pelos índios na Amazônia, o chá ayahuasca é feito por um cipó e uma planta, ambas de origem amazônica. Esse uso chegou à cultura ocidental através das chamadas religiões ayahuasqueiras, como o Santo Daime, a Barquinha e a União do Vegetal. Essas religiões surgiram devido ao contato de seringueiros com a população indígena local, e em seguida se espalharam pelo resto do país. Utilizou-se o método fenomenológico de investigação. A coleta de dados consistiu de uma entrevista com o mestre dirigente do Templo, a fim de obter uma fonte de dados fiel ao ritual e seu intuito, seguido de uma atividade em grupo. A pesquisa foi feita com cinco sujeitos participantes do Templo com idade superior a dezoito anos. A atividade consistiu de uma fantasia dirigida seguida de uma expressão artística visando a um maior contato do sujeito com sua própria experiência com a ayahuasca. Seguiu-se então uma discussão em grupo onde cada sujeito falou sobre o trabalho artístico, sua experiência e a relação com o chá. Esse material, junto com a observação da atividade, foi analisado fenomenologicamente buscando elucidar o que foi relatado por cada sujeito. Dividiu-se esses sentidos em alguns temas trazidos pela análise: sensibilidade, sentir-se parte, conflito/dualidade, limpeza, aprendizado e relacionamentos. Observando a análise, buscou-se perceber onde o relato do sujeito aparecia como momento em que se encontrava com o que é mais próprio dele. Isso aconteceu em todos os sujeitos, porém de forma diferente para cada um. Realizou-se uma devolutiva individual no final do trabalho, contando o que pudemos perceber no relato deles. Concluímos que esse encontro com o seu ser-próprio aparece no sentido do uso ritual da ayahuasca, apesar da forma diferente para cada sujeito.

Palavras-chave: Ayahuasca, método fenomenológico, sentido.

Para entrar em contato com Bruno Ramos Gomes: brunoramosg@uol.com.br

2 Comments

  1. Anonymous says:

    Achei muito interessante o resumo do trabalho de conclusão de curso sobre um grupo neoayuhasqueiro, penso que vivemos em um paìs com uma cultura muito rica que conhecermos muito pouco. Acredito que este trabalho possa nos mostrar um pouco deste universo cultural. Parabens aos pesquisadores.

  2. Primitivos Modernos says:

    Também achei muito interessante.
    Gostaria muito de ler o material completo da pesquisa.
    Um abraço.