BRANDÃO, Pedro Christo. Diagnóstico geoambiental e planejamento do uso do espaço na FLONA do Purus, Amazônia Ocidental: um subsídio ao Plano de Manejo. Tese de Mestrado em Ciência Florestal, Universidade Federal de Viçosa, 2005.

Orientador: Vicente Paulo Soares.
Conselheiros: Agostinho Lopes de Souza e Carlos Ernesto G. R. Schaefer.

Resumo:

A Floresta Nacional do Purus é uma Unidade de Conservação (UC) de Uso Sustentável localizada no município de Pauiní, Estado do Amazonas, que abrange 256 mil hectares de floresta altamente conservados, onde residem populações tradicionais. Criada pelo Decreto Federal n° 96.190, de 21/06/88, a UC ainda não possui um plano de manejo, o que tem inviabilizado o desenvolvimento de atividades produtivas e a geração de renda para as comunidades locais. O presente trabalho representa uma contribuição à elaboração do plano de manejo desta UC e teve como objetivos a caracterização geral do meio físico, a identificação dos padrões de uso e ocupação do solo e o macro-zoneamento da FLONA do Purus, além do estudo detalhado da área de influência direta do igarapé Mapiá (maior núcleo populacional da FLONA). O trabalho foi conduzido por meio da interpretação de imagens orbitais e sub-orbitais e levantamentos de campo, atendendo as especificações do Roteiro Metodológico para Elaboração de Planos de Manejo para Florestas Nacionais (IBAMA, 2003). Aerofotos não-convencionais foram obtidas para o estudo detalhado ao longo da calha do igarapé Mapiá. Constatou-se que menos de 0,5 % (1.159,71 ha) da área total da FLONA do Purus está sobre uso antrópico, sendo a região do igarapé Mapiá a mais antropizada, com 619,89 ha (0,2 % da área da FLONA). A análise do meio físico permitiu a distinção e mapeamento, em escala de 1:100.000, de três Unidades Geoambientais, com base, principalmente, nos aspectos pedo-geomorfológicos, que foram assim definidas: Platôs dissecados com mata sobre Latossolos e Argissolos; Encostas e rampas com mata sobre Argissolos; e Planícies aluviais com Neossolos Flúvicos e Gleissolos. Com exceção das áreas de várzea sobre influência do rio Purus, onde os solos são eutróficos, as demais áreas da FLONA apresentam solos profundamente intemperizados e lixiviados, nos quais os baixos níveis de todos os nutrientes e a alta atividade de Al3+ constituem limitações severas para o crescimento das plantas cultivadas. Na Zona de Amortecimento observou-se uma grande presença de várzeas produtivas, que representaram 62,7% (1260,46 ha) das classes de uso mapeadas nesta área. Com base no Roteiro Metodológico e nos resultados alcançados no presente trabalho, foi estabelecido um macro-zoneamento para a FLONA, que resultou na alocação de duas zonas de proteção (Intangível e de Conservação) e três de produção (Populacional, de Manejo Florestal e de Produção Agrícola). No estudo detalhado da área de influência direta do igarapé Mapiá foram mapeadas, em escala de 1:20.000, sete classes de uso do solo, a saber: vila, quintal, pastagem, roçado, sistema agroflorestal, capoeira jovem e capoeira. Estas classes ocupam 810,52 ha, representando 0,3% da área total da FLONA.

Para acessar a tese on line: ftp:\\solos.ufv.br/pedro

Para entrar em contato com o autor: pedro@nepam.org

Comments are closed.