”A Arte Visionária e a Ayahuasca: Representações das Espirais e Vórtices nos Estados Não Ordinários de Consciência (ENOC)”. Tese de Doutorado Interdisciplinar em Ciências Humanas (DICH-UFSC), por José Eliezer Mikoz.

Veja no link: http://www.4shared.com/file/97235534/9c2fd908/versao_final.html

Resumo

Os Estados Não Ordinários de Consciência, ENOC, induzidos especialmente por alguns tipos específicos de agentes psicoativos, como a ayahuasca, propiciam visões, tratadas neste trabalho também como mirações. Nos estágios iniciais da experiência, essas mirações geralmente são formadas por padrões luminosos geométricos simétricos, ziguezagues, treliças, teias e espirais, entre outros. Em estágios mais avançados, essas imagens podem se transformar em objetos e cenários diversos, onde a influência cultural exercerá importante papel. Padrões visuais análogos encontram-se em obras artísticas, desde as pinturas rupestres pré-históricas, o que possibilita inferir que sua produção esteja, de algum modo, associada aos ENOC. Com efeito, esses mesmos padrões visuais são encontrados em obras indígenas e de artistas da atualidade que usam essa categoria de psicoativo.
As mirações dos ENOC são muitas vezes consideradas experiências de natureza espiritual ou mística, já que são sentidas como vivências genuínas de um “outro mundo”, vivências essas que só podem ser traduzidas para “este mundo” – o mundo objetivo, material, do dia-a-dia – de forma descritiva e simbólica. Dentre as diversas imagens que podem aparecer nas mirações, o presente trabalho visa investigar as espirais e os vórtices. Estuda alguns dos significados que costumam ser atribuídos a esses elementos, assim como algumas transformações e adaptações que eles podem passar, dependendo da cultura local. O presente trabalho busca, ainda, coligir alguns exemplos da presença das espirais e vórtices na natureza, na ciência e na história da arte, com o intuito de evidenciar a forte influência que essas imagens podem ter sobre a imaginação, o conhecimento e a produção artística.
Palavras-chave: Artes Visuais; Arte Visionária; Ayahuasca; Espirais; Vórtices; Estados Não Ordinários de Consciência (ENOC).

Abstract

Non-ordinary States of Consciousness, produced by some specific kinds of psychoactive agents, as, for instance, the ayahuasca, propitiate visions, treated in this work as mirações.  In the initial stages of the experience, these mirações are often formed by luminous and symmetrical geometric patterns, zigzags, latticeworks, cobwebs, and spirals, among others. In more advanced stages, these images can turn themselves into several objects and scenes, where the influence of culture will play an important role. Analogous visual patterns can be found in artistic works, ever since the pre-historical rupestrian paintings, and this fact allows the conclusion that such a production is, in some form, related to the Non-Ordinary States of Consciousness. In fact, the same visual patters can be found in the art of Indians and present day artists that use such kind of psychoactive agents.
The mirações from NOSC are often considered spiritual or mystical experiences, since are felt as actual experiences of “another world”, and such experiences can only be translated to this world, the objective, material and daily world, in a descriptive and symbolical way. Among the several images that can appear in the mirações, this work aims at investigating spirals and vortices. It approaches some of the meanings that are commonly related to these elements, as well as some transformations and adaptations that they are bound to, depending on the local culture. Moreover, this work collects some spirals and vortices occurrences in nature, science and art history, aiming at presenting the great influence that such images may have on the imagination, knowledge and art productions.

Keywords: Visual Arts; Visionary Arts; Ayahuasca; Spirals; Vortex; Not Ordinary States of Consciousness (NOSC).

Comments are closed.