Há pouco tempo atrás o Alto das Estrelas publicou uma resenha do livro: Arruda, Carolina; Lapietra, Fernanda e Santana, Ricardo Jesus. Centro Livre – Ecletismo Cultural no Santo Daime. São Paulo, Editora All Print, 2006. Clique aqui para ler a resenha.

Publicamos agora um trecho do livro, do Capítulo 15 – “Do xamanismo à umbanda: todos no mesmo terreiro“, retirado das pp. 143-145, com a permissão dos autores. O trecho explicita o fascinante experimentalismo cultural, espiritual e psicodélico que vem ocorrendo na comunidade central do Santo Daime/Cefluris, no Céu do Mapiá (AM).

“Terça Feira, 29 de junho. – Peyote”

Depois do trabalho realizado com a raiz Iboga, cerca de cento ecinqüenta pessoas responderam ao convite da Avó-nativa Agnes para assistira cerimônia do peyote e experimentar o chá que é feito com a planta.

O local da cerimônia foi o “Chapéu de Palha”, no terreno da SantaCasa. Homens e mulheres, dessa vez misturados, estão sentados nochão de terra em torno da fogueira para reafirmarem uma antiga profeciacheyennes para os últimos tempos, o encontro da Águia e do Condor, dos povos do norte e do sul. O primeiro encontro entre o povo de Jurmidam e os índios Cheyennes ocorreu em 1996, a partir daí firmou-se a união entre os dois povos.

Por volta das dez horas da noite, sentados no chão de terra, sob atenda de palha, alguns irão experimentar o peyote pela primeira vez. É o caso de Isabel que está muito ansiosa e pergunta a todo momento se jáestão servindo o sacramento. A australiana Angelina, que participa dos rituais da Native Amercian Church acalma a estreante dizendo que ainda haverá algumas preparações.

Jack, um texano loiro, magro e alto arruma a fogueira, fica cruzando as toras de madeira e arranjando o desenho, até ficar do modo como a avó-nativa Agnes determina. Ele também prepara o tambor enchendo a cabaça de água.

– Jack é o “Homem do Caminho”, guiará a viagem e invocará o espíritodo Peyote, – avisa a anciã da tribo cheyenne.

Vovó Agnes é neta dos fundadores da Native American Church, conta que seu pai e seu tio já foram presos por fazerem os rituais, mas hoje areligião é reconhecida nos Estados Unidos.

A anciã faz invocações utilizando algumas penas de águia, de pato e de outros pássaros e ordena que um chumaço de folhas de Sálvia seja passado de mão em mão entre os participantes para que eles defumem seus corpos.

Assim como as outras pessoas, Isabel passa a fumaça em volta de seucorpo e mentaliza a limpeza de sua aura.

Depois que todos se “defumam”, Vovó Agnes recita algumas palavras em em sua língua nativa invocando das forças da natureza. Acende um cachimbo e consagra o tabaco. Em inglês, ela explica que numa cerimônia tradicional todos fumariam o Cachimbo da Paz, mas como são muitas pessoas, ela mesma invocará a Paz para todos. Depois invoca seu Avô Peyote e pede para que ele traga proteção e ensinamentos.

Duas assistentes começam a passar os panelões com o chá quente entre os participantes. Em silêncio, cada um enche a caneca, bebe e passa-se para a pessoa ao lado. Todos tomam e Jack toca o tambor. Vovó Agnes explica que a água no interior do tambor representa as lágrimas e o ventre materno. A fogueira fica cada vez mais forte. Jack, vez ou outra, muda a posição das toras, abana o fogo e canta cânticos cheyennes.

Uma segunda vez, os participantes tomam o chá do peyote. A australiana Angelina explica à Isabel que normalmente, numa cerimônia da Native American Church, eles comeriam os pedaços do cactus e os efeitos seriam maiores, mas pela quantidade de pessoas, foi diluído no chá e, por isso, os efeitos eram mais brandos.

O ritmo do tambor acelerava ao som dos cânticos cheyennes. Em um deles pode se reconhecer entre as palavras da língua nativa cheyenne a expressão “Santo Daime”. De repente, canta-se o “Hino da Aliança”, recebido pela madrinha Beth da igreja do Santo Daime de Florianópolis, SC:

Esta Aliança veio do astral
Do astral, do astral superior
Ela é divina e consagra as medicinas
Estas flores tão finas
Do nosso Pai Criador

Evoluindo as quatro portas do mundo
Na expansão das doutrinas nativas
A profecia da águia e do condor
Vem do Norte para o Sul
Selando com todo amor

Sagrado Tabaco, Peyote, Santo Daime
Santa Maria, São Pedro clareou
Estes são os Sacramentos Divinos
Da nossa Mãe Terra
Cristo vivo Redentor

Oh, Grande Espírito me entrego com amor
Com amor a Aliança Superior
Clareai as trevas deste povo sofredor
Iluminando o caminho
do fiel seguidor

Todos participam da cerimônia em silêncio. Concentrados. Jack levanta-see despeja a água do tambor sobre o fogo. Agnes agradeceu a medicinado seu Avô Peyote e chama o Padrinho Alfredo ao centro.

– Antes de vir pra cá, fui avisada para preparar um presente para um homem que iria conhecer, quando cheguei aqui, soube que era você. – disse dando à Alfredo um colar feito de bambu e contas.

Ela ainda explicou que nesta noite, haviam feito uma jornada e que agora, cada um deveria dar uma volta em torno da fogueira, e que isso representaria uma volta no mundo. O ritual é encerrado. Ao todo, foram quatro horas de duração. Isabel achou os efeitos do peyote bem mais leves que o Daime, mas na volta para casa percebe que seus sentidos estão aguçados ao atravessar,sem dificuldades, a ponte escura sobre o igarapé Repartição.”

Para entrar em contato com o autor Ricardo Santana: rjsantana1977@yahoo.com.br

Para comprar o livro: centrolivre@yahoo.com.br

1 Comment

  1. Anonymous says:

    Gostaria de parabenizar o Ricardo Santana e os demais autores do livro “Centro Livre – Ecletismo Cultural no Santo Daime” , pelo belissimo trabalho e pela forca de vontade em querer publicar um livro que conta um pouco mais da historia desta rica Doutrina, Santo Daime. Mais uma ferramenta para quem quer conhecer um pouco mais sobre o Santo Daime. Informacoes deste nivel, sao sempre bem vindas.

    Gustavo